Citronelol possui atividade contra parasita de verminose

Publicado em Ciências por em

Duas pesquisadoras do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP assinam um artigo recentemente publicado na revista científica internacional Chemico-Biological Interactions em que descrevem a atividade do terpeno ctironelol contra o Schistosoma mansoni, parasita causador da esquistossomose. Ana Carolina Mafud, pós doutoranda do Grupo de Cristalografia (GC) do IFSC e a docente aposentada Yvonne Primerano Mascarenhas analisaram as atividades de terpenos (compostos naturais presentes em plantas) contra a verminose que acomete cerca de 10 milhões de brasileiros. Ao todo, foram testados 38 terpenos e o citronelol mostrou que é capaz de danificar a proteção do parasita, dependendo da concentração.

Terpenos são uma classe de substâncias naturais que geralmente se encontram em sementes, flores, folhas, raízes e madeiras de plantas superiores. A essência de diversas plantas é considerada terpenos, como a essência de eucalipto e a citronela, por exemplo. Ana Carolina explica que o tegumento (camada externa corporal) do Schistosoma é o que permite que o verme consiga se camuflar. “Isso impede que o organismo hospedeiro crie anticorpos para exterminá-lo, pois o verme também incorpora partes de proteínas do organismo do hospedeiro, o que dificulta ainda mais seu reconhecimento como um corpo estranho”, afirma.

Os pesquisadores também verificaram que o citronelol, dependendo da concentração no Schistosoma mansoni, não só rompe seu tegumento, como também é capaz de matar o verme. Testes in vitro foram realizados no Núcleo de Enteroparasitas do Instituto Adolfo Lutz, que tem como colaborador junto ao IFSC o pesquisador Pedro Luiz da Silva Pinto, e no Núcleo de Pesquisa em Doenças Negligenciadas da Universidade de Guarulhos (UnG), coordenado por Josué de Moraes.

Citronelol

Embora com diversos resultados positivos, testes in vivo são requeridos para atestar a eficácia do terpeno no organismo humano. No entanto, como o citronelol já é uma substância liberada pela ANVISA e pelo FDA, os testes com humanos poderão ser feitos mais rapidamente e, caso os resultados sejam novamente favoráveis, um fármaco também poderá ser desenvolvido e disponibilizado com mais rapidez. “Nossos últimos testes têm sido feitos somente com medicamentos já existentes, a fim de propor o reposicionamento de fármacos”, adianta Ana Carolina.

Os pesquisadores verificaram que o citronelol age de maneira “dose-dependente” no Schistosoma, ou seja, quanto maior a dose, maior a atividade. “Verificamos também que, quanto maior for o tempo de incubação do verme, maior o efeito do citronelol. Isso, porque, quanto mais tempo o citronelol fica em contato com o Schistosoma, mais ele altera as propriedades físico-químicas do verme”, elucida a pesquisadora.

Diante disso, os pesquisadores concluíram que o modo de ação do citronelol pode ocorrer pela alteração das propriedades físico-químicas do meio, assim como anestésicos, que atuam no organismo por interações não-específicas. Estudos futuros do grupo irão em direção a essa comprovação, bem como ao melhor detalhamento dos mecanismos de ação do próprio citronelol.

Da Assessoria de Comunicação do IFSC

Mais informações: (16) 3373-9770

.