Pesquisadores do Cena estudam pastagens em Rondônia

Publicado em Meio ambiente por em

Do Engenho da Notícia, Assessoria de Imprensa Cena

O laboratório de Biogeoquímica Ambiental, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) da USP, mantém, há 24 anos, uma parceria com a fazenda Nova Vida, localizada no interior de Rondônia, para o desenvolvimento de pesquisas sobre práticas sustentáveis e ecologicamente corretas em atividades pecuárias.

Atualmente, o biólogo André Mancebo Mazzetto e a agrônoma Arlete Simões Barneze, que realizam seus respectivos trabalhos de doutorado e mestrado no Cena, estão coletando dados na fazenda, localizada no município de Ariquemes, a 250 quilômetros da capital Porto Velho. Essas informações são enviadas para o laboratório da instituição, em Piracicaba, São Paulo.

Os pós-graduandos utilizam uma área de pasto da fazenda para o experimento que visa analisar a emissão de gases que provocam o efeito estufa (CO2, CH4 e N20) na atividade pecuária.“Os pesquisadores extraem gases provenientes de urina e fezes depositados no solo por meio de câmaras estáticas instaladas no pasto. Esse material é todo acondicionado em frascos de vidros com vácuo, que, em seguida, são enviados para o laboratório do Cena, onde serão analisados por cromatografia gasosa, que faz a separação dos componentes e identifica cada um dos gases”, explica o professor Carlos Cerri, coordenador do estudo.

Mazzetto conta que a pesquisa é uma forma de esclarecer essas e outras questões relacionadas a possíveis influências que a atividade pecuária pode causar no efeito estufa. “A pesquisa servirá para mostrar qual o impacto da pecuária no aquecimento global”, afirma o biólogo. “Buscamos determinar os fatores de emissão na atividade pecuária”, conclui.

De propriedade do pecuarista João Arantes, a fazenda Nova Vida tem um laboratório bem estruturado e o experimento Cena se deu pelo interesse mútuo das partes em pesquisar sistemas pecuários alternativos. “Existe uma ótima estrutura na fazenda, onde podemos armazenar os experimentos tranquilamente, para depois serem remetidos para o laboratório da instituição” finaliza Cerri. 

.