Paço das Artes, muito mais que um ‘habitante’ da Cidade Universitária

Publicado em Cultura, USP Online Destaque por em

Quem entra na Cidade Universitária Armando Salles de Oliveira, em São Paulo, pela Avenida da Universidade, irá encontrar, logo no número 1, uma grande escadaria levando para um espaço de exposição da jovem arte dos dias de hoje. Essa localização pode confundir o transeunte e fazê-lo pensar que o Paço das Artes pertence à USP. Mas assim como o Instituto Butantan e o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), apesar de algumas parcerias, esses centros de estudo e cultura nas dependências da Universidade respondem a outras entidades do governo.

O Paço é ligado à Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, e administrado por uma Organização Social (OS), a Associação dos Amigos do Paço das Artes. Priscila Arantes, diretora técnica escolhida pela OS, brinca que “ele é um espaço voltado para a arte contemporânea e já é contemporâneo por excelência, porque é um espaço itinerante”.

Quando fundado, em 1970, era apenas uma sala no Salão de Exposição da Secretaria da Cultura. Depois, mudou-se para a icônica Avenida Paulista, teve uma passagem rápida pela Pinacoteca e, por volta de 1975, foi para o Museu da Imagem e do Som (MIS), onde ficou por 20 anos, até finalmente ser instalado no campus da USP.

Na opinião de Priscila, “é extremamente frutífero para o museu estar dentro da USP, porque sua missão é difundir a arte contemporânea, e eminentemente a jovem arte contemporânea”. Prova dessa integração é que, todo ano, o Paço transforma em exposição os projetos feitos pelos graduandos do curso de Artes Visuais da Escola de Comunicações e Artes (ECA).

Temporada de Projetos

A proximidade física aliada à Temporada de Projetos, um edital anual onde abre-se o espaço da casa para exposição do trabalho de jovens artistas e curadores, faz com que artistas uspianos tenham no Paço um lugar para transmitirem suas ideiais. Foi assim com Daniela Kutschat Hanns, atualmente professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), que participou da Temporada do ano 2000. Ela conta que já tinha relações com o Paço pois conhecia Daniela Bousso, idealizadora do projeto ao lado de Priscila Arantes.

Sua obra apresentada foi um trabalho experimental de arte-tecnologia, produzido em parceria com Rejane Cantoni, e queria testar como as pessoas entenderiam o espaço se tivessem outro sistema de visão. Para isso, projetaram em duas paredes conectadas imagens opostas da estação Sé do metrô, uma com linhas que chegam da Zona Norte e outra com linhas da Zona Sul. Assim, provocaram a sensação do espectador ter um olho na frente e um atrás da cabeça.

Kutschat acredita que a presença do Paço traz acréscimos para a comunidade acadêmica. “Desde que mudamos para a USP, tenho observado um movimento de aproximação. Os alunos da FAU e da ECA de fato frequentam o Paço”, relata, ressaltando que muitas vezes a relação é com os professores, através de participação deles em comissões julgadoras, na organização de eventos e na divulgação das atvididades para os alunos.

Quem tem medo da arte?

Encontrada lendo o painel explicativo da exposição Metrô de Superfície, a estudante Lorena de Oliveira, já no quarto ano do curso de Letras, confessa que era a primeira vez que entrava ali. “Acho bacana, mas para eu vir tem que ser em grupo, com alguém explicando, porque o que eu vejo pode ter várias interpretações diferentes e na verdade não ser nada daquilo”.

No intuito de envolver mais esse público receoso diante da arte contemporânea, o Paço promove visitas orientadas, agendadas através do email educativo@pacodasartes.org.br ou telefone (11) 3814-4832, como parte do projeto Paço Educativo, que também disponibiliza ônibus gratuitos a escolas públicas e organizações não governamentais com destino à Cidade Universitária.

Quanto à visita dos uspianos, Priscila Arantes diz que é grande, mas poderia ser maior. “É uma meta importante do Paço das Artes fazer com que ele seja um espaço de referência dentro da USP, para os alunos não só da área de artes, já que estamos aqui dentro e o público pode ser muito grande”, finaliza.

Serviço

O endereço do Paço das Artes é  a Av. da Universidade, 1, Cidade Universitária, São Paulo.

O horário para visitação, que é gratuita é de terça a sexta-feira, das 11h30 às 19 horas; e aos sábados e domingos, das 12h30 às 17h30.

Mais informações podem ser obtidas no site do museu, ou pelo email pacodasartes@pacodasartes.org.br.

.