MAC usa acervo para contar histórias da arte às crianças

Publicado em Educação, USP Online Destaque por em

Para uma criança, ir ao museu pode ser tão instigante quanto ouvir uma história. Foi o que percebeu Renata Sant’Anna, educadora do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP há 23 anos. “No contato com as escolas que vêm nos visitar, reparei que os educadores passam grande parte do tempo contando histórias para as crianças”. Por que não, então, unir literatura e arte de forma lúdica?

Assim surgiu a ideia de História da Arte para crianças: encontros entre livros e obras. O programa consiste em contar para as crianças histórias de obras e artistas dentro do museu, em frente às obras que são abordadas.

Segundo Renata, o objetivo principal é utilizar a linguagem acessível de livros sobre arte direcionados para os leitores mirins, mas sem substituir a visualização real da obra.

Depois de ler, ouvir e ver, as crianças terão ainda uma atividade prática no ateliê, que não será necessariamente artística, “pode ser uma brincadeira”, explica a educadora.

Dia de Maria

Na estreia do projeto, que acontece dia 10 de novembro, das 11 às 12h30 na sede do MAC Ibirapuera, as crianças poderão conhecer mais sobre a escultura de Maria Martins, mulher emancipada e adiante de sua época não só no campo das artes, mas também na vida pessoal. Maria participou ativamente do movimento surrealista europeu em sua segunda fase (anos 1940). A escultora brasileira foi premiada em 1955 com o Prêmio Nacional de Escultura, na III Bienal de São Paulo. No Brasil, apenas três museus abrigam seu trabalho: a Pinacoteca do Estado, o Museu de Arte Contemporânea (com três obras) e o Museu de Arte Moderna do Rio.

O livro apresentado na ocasião será Maria Martins: mistério das formas (Editora Paulinas, 1997), de Kátia Canton. Renata diz que uma atividade lúdica possível relacionada a essa artista seria as crianças tocarem, de olhos vendados, réplicas das esculturas de Maria e depois buscarem reconhecer, olhando no  acervo do museu, o que sentiram com as mãos.

Uma escola para todas as idades

Para Tadeu Chiarelli, diretor do MAC, a ideia do projeto é rever o acervo do museu, abrindo-o de maneira inteligente e lúdica e visando à formação do público infantil por meio de uma pedagogia em que o livro é “o detonador de novas possibilidades para a apreciação estética dos mais jovens”.

Ainda sobre a utilização da literatura, Renata afirma que o livro é um recurso amplo e inteligente para levar a arte até seu leitor. “E não para por aí: depois as crianças mostram os livros para seus familiares, comentam o que viram”, acrescenta.

E não para por aí: depois as crianças
mostram os livros para seus
familiares, comentam o que viram.

Espalhar esse gosto pela arte é, segundo Chiarelli, uma das preocupações centrais do MAC. “Como instituição museológica de uma universidade pública como a USP, em um país com tantas carências como o Brasil, é fundamental que o Museu tenha dentre suas principais metas a formação do público para a arte, em todas as faixas etárias.”

Para o próximo encontro, em 24 de novembro, Renata adianta que o tema será a exposição em curso Um outro acervo do MAC USP: Prêmios-Aquisição da Bienal de São Paulo, 1951-1963, que conta a história das Bienais. O livro de apoio é o De dois em dois: um passeio pelas bienais (Editora Cosac Naify, 2010).

A intenção é que o projeto se prolongue por 2013. Arte e literatura para isso não faltam: “todas as obras do acervo podem ser elementos importantes para detonar na criança o interesse pelas artes visuais”, comenta Chiarelli.Será debatido, por exemplo, como eram escolhidos os premiados. “Depois, será a vez das crianças visitarem a exposição e escolherem quais seriam as obras que eles premiariam, e explicar qual foi o critério e o porquê da escolha”, conta Renata.

Todas as obras do acervo podem ser elementos importantes para detonar na criança o interesse pelas artes visuais

O projeto História da Arte para crianças: encontros entre livros e obras atende crianças de 7 a 10 anos acompanhadas de um adulto. São 15 as vagas disponíveis e as inscrições devem ser feitas pelo telefone  (11) 5573-5255 ou edumac@usp.br A atividade é gratuita.

O MAC Ibirapuera fica no Parque Ibirapuera, portão 3, Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Ibirapuera, São Paulo.

.