Romã é aliada em potencial na prevenção da doença de Alzheimer, afirma pesquisa da Esalq

Publicado em Pesquisa por em

Da Assessoria de Imprensa da Esalq

Na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, a pesquisadora do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição (LAN), Maressa Caldeira Morzelle, com a orientação da Professora Jocelem Mastrodi Salgado, realizou uma pesquisa com resíduos de romã e constatou sua potencialidade como aliado na prevenção da doença de Alzheimer.

O mal de Alzheimer, uma doença degenerativa e atualmente incurável, atinge na maioria dos casos, idosos com idade entre 60 e 70 anos. Para tanto, compreendendo que em nosso país cerca de 900 mil pessoas já foram diagnosticadas com a doença, diversas pesquisas para os avanços nas formas de tratamento e amenização da doença são desenvolvidas.

Inúmeros estudos indicam que, entre pessoas que consomem frutas e verduras regularmente,  é raro o diagnóstico de doenças degenerativas decorrentes da idade avançada.

De acordo com a pesquisa, apenas na casca da fruta é possível encontrar mais antioxidante do que em seu suco e sua polpa, e os antioxidantes são essências para a prevenção contra os radicais livres que matam as células do nosso corpo, o que acarreta em doenças degenerativas em geral.

Mais informações: site www.esalq.usp.br

.