FEARP coordenará pesquisa internacional sobre Recursos Educacionais Abertos

Publicado em Educação por em

Da Assessoria de Imprensa da FEARP

Tendência entre grandes instituições de ensino globais de primeira linha, os Recursos Educacionais Abertos (REA ou Open Educational Resources – OER), já são disponibilizados gratuitamente por MIT, Princeton, Stanford e Harvard. A Unesco define os Recursos Educacionais Abertos como “materiais de ensino, aprendizado e pesquisa em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. O REA pode incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didáticos, artigos de pesquisa, vídeos e qualquer outro material, técnica ou ferramenta que possa apoiar o acesso ao conhecimento”.

Na América Latina, Ásia e África não existe um diagnóstico sobre o acesso e uso destes materiais de ensino, aprendizado e pesquisa que são de domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta. Na busca por esse diagnóstico, o professor José Dutra de Oliveira Neto, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEARP) da USP, irá coordenar uma equipe com 53 pesquisadores de 25 países para descobrir o perfil dos usuários atuais e potenciais do REA em3 continentes.

Oliveira Neto foi o único brasileiro a apresentar uma proposta de pesquisa durante mesa redonda sobre o assunto realizada entre 21 e 25 de janeiro na UniversitasTerbukaIndonesia (UTI), em Jakarta, na Indonésia. Segundo o professor, o objetivo inicial da OER Divide, era diagnosticar o uso dos REA apenas na América Latina. “Mas durante esse evento foi sugerido acrescentar os países da África e Ásia na pesquisa”.

A previsão é de que a pesquisa comece ainda em 2013, com duração de dois anos e orçamento superior a U$ 100 mil. As iniciativas para melhor compreender o valor dos REA são incentivadas pelo International Development Research Centre do Canadá (IDRC) e suas instituições parceiras.

Esses recursos são abertos a todos os interessados e podem ser usados de diversas formas. Um exemplo, segundo ele, é traduzido por iniciativas de centros universitários como Princeton, Harvard e até mesmo a USP que recentemente disponibilizarem suas aulas na internet, ficando acessíveis a estudantes do mundo inteiro.

Mais informações: (16) 3602-0505

.