Prefeitura do Campus cria políticas para lidar com animais abandonados

Publicado em Meio ambiente, Saúde, USP Online Destaque por em

Além de representar um ato de extrema crueldade, abandonar animais constitui crime ambiental. Alguns donos, no entanto, continuam com esta prática, e a Cidade Universitária tem sido, há vários anos, alvo do problema. Com os animais já aqui, alguma coisa precisa ser feita. Por isso, a Prefeitura do Campus USP da Capital (PUSP-C) tem buscado parceria com a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) para pensar em ações.

No último dia 5 de setembro, uma reunião discutiu o conceito de “animal comunitário”, e um conjunto de políticas destinadas a estes animais, que dependem de uma ação conjunta da Prefeitura, dos voluntários e dos cuidadores.

Segundo Ricardo Prist, chefe técnico do Serviço de Sáude Ambiental da PUSP-C, a Prefeitura não dispensava tantas atenções aos animais anteriormente. Contudo, devido ao grande aumento da população – especialmente de cães – foi necessário pensar como seria estruturada a relação entre a comunidade USP e os animais. “Eles podem causar e sofrer sérios problemas estando abandonados dentro do Campus, e eu não me refiro somente a mordeduras –  a transmissão de doenças também é uma grande preocupação”, explica Prist,  ressaltando a importância de se implantar uma política de convivência.

Banalização da vida

O abandono de animais é um delito punível tanto com detenção quanto com multa. Mesmo assim, o número de  animais abandonados na Universidade é expressivo. De  acordo com os dados da PUSP-C, o número máximo de animais na Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira (Cuaso) deveria ser de 47, já que a Cidade possui 470 hectares – a Prefeitura do Campus estabeleceu o  limite de um animal por 10 hectares. Entretanto, somente este ano, até mês de agosto, 110 animais foram capturados.

Eles podem causar e sofrer sérios problemas no Campus, e não me refiro somente a mordeduras.

Conforme a pesquisa de monitoramento realizada pelo professor da FMVZ Ricardo Dias, os animais entram, em sua maioria, devido ao abandono. Ficou evidenciado ainda que as portarias da Vila Indiana e o Hospital Veterinário também são fortes pontos de desova de animais, por se acreditar – equivocadamente – que o Hospital tenha condições de acomodá-los. “Os animais, por sua vez, permanecem no Campus por encontrarem condições como alimento, abrigo e mesmo algum conforto por parte daqueles que gostam de animais”, revela o professor.

Nova política

A nova política em relação aos animais no Campus já começou a ser empregada e consiste em uma série de processos para o monitoramento. Primeiramente, quando um animal é encontrado, é feito um relatório de evento. Essa atitude é tomada  porque a PUSP-C entende o ingresso desses animais como um crime ambiental e criou uma Divisão Técnica de Gestão Socioambiental e, nessa área, a Seção de Monitoramento da Fauna, responsável pelo controle dos animais do Campus. O objetivo é denunciar os casos de abandono e promover a cidadania através do trato desses animais e do estímulo a uma convivência sustentável.

Após o registro do animal, ele é levado ao Hospital Veterinário (Hovet) e passa por uma bateria de exames para atestar sua saúde. Nesse ínterim, o animal recebe um microchip que contém informações básicas, como o número de registro na prefeitura. Além disso, teve início a doação de coleiras na cor azul com uma placa de identificação com alguns nomes pelos quais o animal é conhecido no Campus, para que seja possível diferenciar visualmente quais animais “pertencem” ao Campus.

 A condição dos animais – sejam livres no Campus ou no abrigo – não é a ideal e nem substitui o lar.

Para Prist, a presença de animais conhecidos e aceitos pela comunidade é importante pois impede a entrada de animais novos e desconhecidos, além de equilibrar o ecossistema. Ao mesmo tempo, um limite máximo também é fundamental para que não haja competição e riscos aos outros animais ou à comunidade.

Ainda que os cuidados em prol dos animais sejam empregados, é importante lembrar que  tanto a PUSP-C quanto o Hospital Veterinário entendem esta condição como uma situação extrema e temporária. “As pessoas abandonam os animais aqui [no Campus] porque acham que somos capazes ou responsáveis por esses animais. Nós não somos e nem podemos nos responsabilizar por todos. Embora sejam bem tratados, aqui eles são estressados,  não possuem afeto ou atividade física adequada. A condição dos animais – seja livre no campus ou no abrigo – não é a ideal e nem substitui o lar”, ressalta Prist.

Como ajudar?

A comunidade pode contribuir de várias formas. Uma delas é auxiliando a PUSP-C ao comunicar os casos de abandono de animais no Campus, pelos telefones (11) 3091-4471, na própria Prefeitura do Campus, ou 3091-4222, junto à Guarda Universitária. A denúncia permite que o animal seja recolhido pela PUSP, evitando que provoque ou sofra acidentes. Caso o abandonador seja, de alguma forma, identificado, o caso pode ser levado à Delegacia do Meio Ambiente e ao Ministério Público.

Outro modo de ajudar é por meio da adoção dos animais. Para adotar um cachorro do abrigo provisório da USP, é preciso agendar uma visita pelos telefones (11) 3091-4823 ou 3091-4891. As visitas são marcadas de segunda a sexta-feira, das 8 às 16 horas.

.