Cinusp celebra o centenário do ator Burt Lancaster

Publicado em Artes, USP Online Destaque por em

Silvana Salles / Jornal da USP

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Cena de “Os Assassinos”

Burt Lancaster tinha pouco mais de 30 anos quando estreou no cinema, nos Estados Unidos da década de 1940, após experiência no circo como acrobata durante a juventude, dois anos no exército durante a Segunda Guerra Mundial e uma breve passagem pela Broadway. Se estivesse vivo, o ator teria completado cem anos no último sábado, 2 de novembro. Aproveitando a efeméride, o Cinusp Paulo Emílio selecionou 15 filmes para a mostra Centenário de Burt Lancaster, em cartaz desde sexta-feira, com sessões na sala da Cidade Universitária e no Centro Universitário Maria Antonia até dia 24 de novembro.

Ator autodidata, Lancaster tinha os olhos azuis e o porte atlético que lhe garantiam a condição de galã de Hollywood. O sucesso dos primeiros filmes, histórias policiais de caráter comercial, o alçou à condição de astro. Mas foi a partir dos anos 50 que Burt Lancaster começou a construir uma trajetória que evidenciou sua versatilidade ao apostar em papéis mais desafiadores, procurando desenvolver interpretações mais complexas e, às vezes, colocando dinheiro do próprio bolso em alguns projetos. Lancaster também assumiu as responsabilidades de produtor em alguns filmes.

Para o coordenador de programação do Cinusp, Marcos Kurtinaitis, um dos aspectos mais importantes da biografia de Burt Lancaster é que sua busca por projetos que representassem desafios abriu as portas para outros atores que procuram se distanciar da figura de galãs dos filmes românticos e de ação, para investir em carreiras que passam longe do clichê do homem bonito que interpreta personagens fáceis e estereotipados. “Hoje, praticamente todos os galãs de Hollywood têm essa postura. Foi o que fizeram Leonardo DiCaprio e Brad Pitt. E, no Brasil, Cauã Reymond e Wagner Moura estão no mesmo caminho”, diz Kurtinaitis.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
“Os Profissionais”

A diversidade do trabalho de Lancaster é outra característica importante da carreira do astro: ele fez romance, comédia, drama, faroeste, ação, aventura, filmes de guerra e policiais. A seleção de títulos da mostra em cartaz no Cinusp procura oferecer um breve panorama de mais de quatro décadas do trabalho de Lancaster em frente às câmeras. Tarefa difícil, considerando a extensa filmografia do ator, que foi dirigido por alguns dos principais diretores de sua época, como Fred Zinnemann e Robert Wise, e contracenou com outros grandes mitos de Hollywood.

“Deixamos muitos filmes bons de fora. Fechar a programação foi uma decisão muito difícil”, conta Kurtinaitis. A equipe do Cinusp produziu uma lista inicial de 40 filmes que poderiam ser exibidos e, na sequência, se esforçou para reduzi-la para apenas 15 películas.

Entre os títulos escolhidos estão O Homem de Alcatraz (1962, direção de John Frankheimer e quatro indicações ao Oscar), Entre Deus e o Pecado (de 1960, filme que rendeu o Oscar de Melhor Ator a Lancaster) e o western Os Profissionais (1966). Outro título, Trapézio, de 1956, um grande sucesso de bilheteria na época, aproveitou a experiência de Burt Lancaster no circo e exibe acrobacias executadas pelo próprio ator, que foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
“Julgamento em Nuremberg”

Nesta quarta-feira (6), será exibido na sessão das 16 horas, na Cidade Universitária, o filme Os Assassinos, de 1946, estreia de Lancaster no cinema. Neste suspense policial, Burt Lancaster contracena ao lado de Ava Gardner. Às 19h, o Cinusp exibe o drama Julgamento em Nuremberg, de 1961, que inclui Spencer Tracy, Judy Garland e Marlene Dietrich no elenco. O enredo se desenvolve na Alemanha ocupada após a Segunda Guerra, onde um magistrado americano é indicado para presidir o julgamento de quatro juízes nazistas que usaram seus cargos para permitir atrocidades contra judeus. O filme é baseado em fatos reais, principalmente do Caso Katzenberger – processado em Nuremberg, um juiz alemão foi condenado à prisão perpétua por sentenciar à morte, em 1942, um empresário judeu que tinha um relacionamento com uma jovem considerada “ariana”.

A mostra Centenário de Burt Lancaster vai até 24 de novembro, com sessões à tarde e à noite na sala do Cinusp (rua do Anfiteatro, 181, Colmeia, Favo 4, Cidade Universitária) e no Centro Universitário Maria Antonia (rua Maria Antonia, 258/294, Vila Buarque). A programação completa do evento pode ser consultada no site do Cinusp.

.