Aplicativo desenvolvido por pesquisadores da USP facilita a coleta de dados de saúde

Publicado em Tecnologia por em

Valéria Dias/Agência USP de Notícias

O Mobile Health é um projeto piloto implantado na região oeste de São Paulo que permite a coleta de dados de saúde de forma instantânea e com segurança eletrônica. Desenvolvido por pesquisadores da USP com participação da empresa sueca Ericsson, o projeto está facilitando o trabalho dos agentes comunitários de saúde do município de São Paulo, além de beneficiar entre 30 e 40 mil famílias (cerca de 120 mil pessoas) naquela região.

Os agentes de seis Unidades Básicas de Saúde (UBS) da região visitam as casas dos moradores e coletam os dados de saúde por meio de um aplicativo para smarthphones baseados no sistema operacional Android. As informações obtidas estão associadas à situação de moradias e à ocorrência de epidemias, doenças crônicas, acidente vascular cerebral (AVC) e gravidez. O aplicativo permite a coleta e cadastro desses dados e o envio ao banco de dados da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em tempo real e de forma cifrada através da rede 3G, trazendo rapidez e segurança ao procedimento. Além do envio eletrônico e com segurança, as informações coletadas também são georeferenciadas pelo GPS do smartphone. Com isso, os dados podem ser apresentados em mapas geográficos da região de cobertura (por exemplo, Google Maps). Atualmente, 180 agentes de saúde utilizam o aplicativo no smartphone durante as visitas aos domicílios.

Em todo o Brasil, a coleta de dados do Programa de Atenção Básica à Saúde é realizada por meio de formulários em papel com informações coletadas no próprio domicílio pelos agentes de saúde. Após a coleta, os formulários são encaminhados para as UBSs, quando será preciso que um técnico leia a informação e a transcreva para o Sistema de Informação da Atenção Básica. Esse processo leva um tempo total de 45 dias.

“Este projeto apresenta três aspectos bem interessantes. O primeiro é o fato de não ser preciso ler os formulários para posterior cadastro no sistema, conferindo ganho de tempo e velocidade ao procedimento. O segundo é a qualidade e segurança da informação, pois não é preciso a leitura e a interpretação dos dados para inserção no sistema. O terceiro é a possibilidade de georreferenciar as informações coletadas, permitindo ao gestor priorizar ações de prevenção e assistência”, destaca o engenheiro eletrônico Marco Antonio Gutierrez, diretor do Serviço de Informática do Instituto do Coração (Incor), do Hospital das Clínicas (HC) da FMUSP.

O projeto envolve pesquisadores da USP ligados ao Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores (Larc) da Escola Politécnica (Poli) da USP, ao Incor, e à FMUSP.

O Mobile Health foi contemplado, no último dia 28 de outubro, com o prêmio concedido pela Revista ARede, na área de inclusão digital. O projeto contou com suporte da Ericsson, empresa que concedeu bolsas, equipamentos, recursos para viagens e para a produção de artigos publicados no Brasil e em nível internacional, por meio de seus Centro de Inovação Brasil e do Centro de Pesquisa da Suécia.

Segurança de dados

De acordo com Gutierrez, o projeto piloto começou há cerca de 3 anos, com 5 smartphones. Posteriormente, os pesquisadores decidiram ampliar o projeto com o uso de 180 aparelhos. “Para isso, Larc e Incor trabalharam em conjunto, tanto na atualização do software como também na incorporação de uma série de recursos de segurança de informação para que os agentes de saúde pudessem utilizar a rede 3G”, explica. O Laboratório da Poli ficou responsável por desenvolver as soluções de segurança do aplicativo (criptografia e segurança de rede).

Outro ponto importante desses 180 aparelhos é o fato de serem georreferenciados, ou seja, contam com GPS. Isso é especialmente importante pois muitas das famílias visitadas moram em comunidades que não têm um endereço formal. Muitos dos domicílios estão localizados próximos a córregos e indústrias, fato que pode levar a problemas de saúde. Com o geoferenciamento, é possível localizar espacialmente os moradores, o que é muito importante para os gestores do setor estabelecerem como será o trabalho de atenção básica, qual deve ser o número de visitas dos agentes de saúde, etc.

“O Incor já tinha um protótipo para o aplicativo, o GeoHeath. O formulário eletrônico foi definido para ser compatível com os formulários do SUS adotados no Brasil todo como parte do Programa Saúde da Família. Durante a implantação do projeto, fizemos a reestruturação do formulário em conjunto com pesquisadores da FMUSP. Foram inseridos alguns campos adicionais para melhor acompanhar a saúde da população, a fim de identificar condições de saúde relevantes não inclusas nos formulários originais ou ampliar o tempo de acompanhamento dessas condições, por exemplo”, finaliza Marcos Simplício, professor da Poli envolvido no projeto.

Mais informações: email carvalho@larc.usp.br, com a professora Tereza Cristina Carvalho ou marco.gutierrez@incor.usp.br, com Marco Antonio Gutierrez

.