Copa do Mundo não atrai grande interesse nas cidades-sede

Publicado em Sociedade por em

Júlio Bernardes / Agência USP de Notícias

Pesquisa realizada com 3.770 pessoas nas 12 cidades que receberão os jogos da Copa do Mundo revela que somente 23% dos entrevistados declararam ter muito interesse pelo Mundial. O resultado faz parte de um levantamento sobre a opinião dos brasileiros sobre a Copa, coordenada pelo professor Alexandre Panosso Netto, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, com a participação dos pesquisadores Manuel Alector Ribeiro, da Universidade do Algarve (Portugal), e Dogan Gursoy, da Washington State University (Estados Unidos). Na pesquisa, realizada entre os dias 5 e 12 de maio, 60,3% dos entrevistados afirmaram que a Copa será péssima, ruim ou regular, e 46,9% discordam que o torneio trará benefícios ao Brasil.

“Esse desinteresse pode ser um reflexo dos problemas enfrentados nos preparativos, na organização e nas obras para viabilizar o evento. Inclusive pode ser até uma resposta em forma de protesto”, analisa Panosso Netto. Sobre a opinião de como será a Copa do Mundo no Brasil, 60,3% das pessoas ouvidas na pesquisa afirmaram que será péssima, ruim ou regular. Os que disseram que será boa ou ótima somam 37%. “Esses dados mostram uma polarização nas opiniões sobre o evento de um modo geral”, considera Ribeiro.

Entre os entrevistados, 46,9% discordam total ou parcialmente da afirmação de que a “Copa trará mais benefícios do que prejuízos ao Brasil”, 47,5% concordam totalmente ou em parte e 5,7% responderam que não concordam nem discordam, ou que não sabem. No levantamento, 82,8% das pessoas ouvidas concordam que a Copa levará à superlotação das instalações e da infraestrutura das cidades sedes. “Esse número reflete a opinião que a população tem sobre sua cidade e mostra que as sedes dos jogos podem não estar mesmo preparadas para o evento”, aponta Gursoy. Da população ouvida na pesquisa, 60,7% discorda que “o Brasil está preparado para sediar a Copa do Mundo”, contra 35,3% de concordância total ou parcial.

Sobre a afirmação “Eu apoio que o Brasil sedie a Copa do Mundo”, 40,5% responderam que discordam, enquanto 29,8% responderam que concordam totalmente e 24,9% em parte, num total de 54,7% dos entevistados que afirmaram apoiar a Copa no Brasil. As opiniões também se dividem ao se perguntar sobre a afirmação “A Copa de 2014 será a melhor Copa de todos os tempos”, pois 48,7% dos entrevistados responderam que discordavam e 41% concordavam totalmente. “A frequência da polarização das opiniões é um sinal de que existiu coerência nas respostas dadas pela população”, constata Panosso Netto.

Informação

Apesar das várias opiniões sobre o evento, 62,3% da população respondeu que concorda totalmente ou em parte com a afirmação “Eu estou bem informado sobre a Copa do Mundo de 2014”. Outros 32,1% responderam que discordavam totalmente ou em parte da afirmação. Sobre como acompanharão os jogos que ocorrerão na cidade de cada entrevistado, 70,1% disseram que verão pela TV, em sua própria casa e 5% na casa de amigos ou parentes. Destaca-se que 15% disseram que não acompanharão os jogos.

Duas questões específicas foram feitas sobre o turismo no Brasil. A primeira delas era se o entrevistado concordava ou discordava da frase “A Copa promoverá o Brasil como um destino turístico”. A opinião neste item é a de maior unanimidade, pois 80,1% concordavam totalmente ou em parte com a afirmação, sendo que 49,3% concordavam totalmente. A segunda questão que abordou o tema do turismo é se o entrevistado concordava ou discordava da afirmação “Eu me preocupo em receber bem os turistas que virão à cidade assistir os jogos da Copa”, sendo que 47,6% concordavam totalmente e 24,7% concordavam em parte. “Isso significa que essas opiniões justificam a fama de povo acolhedor e hospitaleiro do brasileiro”, conclui Ribeiro.

A coleta de dados foi realizada pelo Instituto Datafolha. Os resultados são parciais e vem dos dados coletados na primeira onda de entrevistas, que contou com mais de 110 perguntas feitas a cada entrevistado, com média de 15 minutos de entrevistas. A segunda e última onda está programada para novembro de 2014 e terá como principal objetivo comparar a opinião das pessoas antes e após o evento e analisar pontos divergentes ou mudanças de pontos de vista.

Os pesquisadores esperam publicar os resultados completos da pesquisa em eventos e revistas científicas da área do turismo, administração e ciências sociais. O financiamento para a pesquisa veio do projeto número 487780-2013-2, aprovado na Chamada ME/CNPq 91/2013, do Ministério do Esporte, gerenciado pelo Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (CNPq).

Mais informações: email panosso@usp.br, com Alexandre Panosso Netto

.