Aluno egresso de escola pública se destaca no curso superior

Publicado em Educação por em

Daniel Navarro / Assessoria de Imprensa da FEARP

Pesquisa de doutorado de Thais Accioly Baccaro, na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEARP) da USP, aponta para a eficiência do vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) e para o bom desempenho acadêmico dos alunos da USP que vieram da escola pública. No estudo, a pesquisadora relacionou o desempenho no vestibular com o rendimento acadêmico dos alunos da USP em cursos de diversas áreas do conhecimento. Embora no vestibular os alunos de escola particular tenham melhor desempenho, ao longo do curso superior o aluno de escola pública se destaca.

“Inicialmente, queríamos entender se o desempenho no vestibular tem relação com o rendimento ao final do curso”, lembra Thais. Embora haja muitos estudos levando em conta resultados no Enem – Exame Nacional do Ensino Médio e também política de cotas, a pesquisadora destaca a lacuna de estudos que relacionem as notas no vestibular com o rendimento acadêmico.

O estudo de Thais, entretanto, foi além das notas na Fuvest. “Não é só a nota no vestibular que ajuda a entender os resultados, mas também as características socioeconômicas dos alunos”, afirma a pesquisadora. A pesquisa indica, por exemplo, que os homens são maioria quando o assunto é bom desempenho no vestibular. No desempenho acadêmico, entretanto, as mulheres se dão melhor.

Outro aspecto obtido com a pesquisa é quanto ao desempenho dos egressos de escolas públicas. Alunos com este perfil têm melhor rendimento ao final do curso. “No vestibular os alunos de escola particular vão melhor, mas ao longo do curso superior o aluno de escola pública se destaca”, diz Thais. Como o estudo não incluiu uma abordagem qualitativa, não foi possível determinar os fatores que influenciaram esses resultados, como, por exemplo, a motivação ou adaptação ao ensino superior.

Desempenho acadêmico

Outros fatores que impactaram negativamente o desempenho acadêmico foram, além do gênero, com homens obtendo pior rendimento acadêmico que mulheres, também a quantidade de vestibulares Fuvest. Ou seja, quanto mais vestibulares prestados antes do ano de ingresso pior foi o desempenho acadêmico do aluno ao longo do curso.

Para a pesquisa foram selecionadas doze carreiras, quatro de cada área do conhecimento (exatas, biológicas e humanas) e com diferentes níveis de concorrência no vestibular. As carreiras que fizeram parte do estudo foram: Licenciatura em Ciências Exatas, Gerontologia, Pedagogia, Informática,  Enfermagem, Filosofia, Engenharia de Alimentos, Nutrição, História, Engenharia, Computação e Matemática Aplicada, Psicologia e Administração.

O estudo padronizou estatisticamente as notas destas carreiras. Foram utilizados dados de alunos ingressantes de 2005 até 2007 e que efetivamente se formaram até o momento da análise dos dados, num total de 6055 ingressantes e 4037 formados.

A pesquisa A relação entre o desempenho no vestibular e o rendimento acadêmico no ensino superior: um estudo em uma universidade pública paulista, foi defendida no último dia 26 de maio e orientada pelo professor Gilberto Shinyashiki, no Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações.

Mais informações: (16) 3602-0505

.