Ensinar não tem preço

Publicado em Especial por em

feira-profissoes-usp-05

Acredito que dei aula pra Bruna no final de 2010, logo quando me senti professor. Foi bem naquele momento de empolgação com o começo de magistério. A ideia de seguir esta carreira veio ainda no ensino médio, quando um professor de filosofia mudou o meu jeito de ver o mundo. A opção pela matemática veio depois, quando um dia me deparei com dois professores de matemática conversando sobre coisas bem complicadas, das quais eu não entendia nada. E tive vontade de aprender tudo aquilo.

Não tem preço conseguir passar para alguém o quanto eu gosto da matemática e de ajudar as pessoas

Não tem preço conseguir passar para alguém o quanto eu gosto da matemática e de ajudar as pessoas. Espero que a Bruna dê continuidade a isso. Ela é fruto do trabalho de algum professor, então, espero que ela também tenha seus frutos e, a cada dia, a gente renove esse ciclo. Comigo foi assim, um professor me tocou e espero que ela consiga fazer o mesmo pelos seus alunos.

Leia o depoimento da aluna do Renato:
Bruna Ribeiro Franco – Quem quer ser professor?
“Eu quis ser professora desde o primeiro dia que eu entrei em uma sala de aula”.

Início

.