Pós-graduação em Saúde da Comunidade na FMRP registra primeira tese

Publicado em Pesquisa por em

Rosemeire Soares Talamone / Serviço de Comunicação Social da CCRP

No dia 30 de julho, foi concluído o primeiro doutorado no programa de Pós-Graduação em Saúde na Comunidade da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

A tese Modelagem em análise de sobrevivência para dados médicos bivariados utilizando funções cópulas e fração de cura, foi defendida por Emílio Augusto Coelho Barros, orientado pelo professor colaborador do Departamento de Medicina Social da FMRP, Jorge Alberto Achcar.

O pesquisador trabalhou com um conjunto de técnicas estatísticas voltadas ao tratamento de dados que são interpretados, como o tempo de ocorrência de um evento qualquer. “Um tipo de informação bastante frequente em estudos médicos, em que este evento pode ser o óbito dos indivíduos portadores de uma condição ou a recorrência de uma doença”, diz Barros.

Ele explica que as funções cópula são úteis na análise estatística de dados multivariados. “Podemos, por exemplo, modelar os tempos até da recorrência de uma infecção nos rins esquerdo e direito de um mesmo paciente”.  Os estudos de Barros testou ainda a chamada “fração de cura”. Nesse modelo estatístico, é levada em consideração a proporção dos indivíduos que, em algum senso, é imune ao evento de interesse.

“Em um estudo do tempo de sobrevida de pacientes com câncer, podemos ter uma fração de indivíduos que foi curada da doença. Portanto, estas pessoas não morrerão devido ao câncer”, complementa.

Programa Saúde na Comunidade

O professor Edson Zangiacomi Martinez, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Saúde na Comunidade da FMRP, conta que esse é continuidade do Programa de Pós-Graduação em Medicina Preventiva, que esteve em atividade de 1971 a 1999. Segundo a coordenação, o objetivo do antigo programa era incrementar a formação de médicos nesta área.

No ano 2000, o programa passou por ampla reformulação, com o intuito de oferecer uma formação multiprofissional a estudantes egressos de diferentes carreiras, envolvidos nas temáticas do processo saúde-doença. O novo Programa passou então a denominar-se “Pós-Graduação em Saúde na Comunidade” e, no seu início, foi oferecido apenas o curso de mestrado. Em 2011, esse novo curso passou a oferecer também o curso de doutorado.

Desde o ano 2000, 235 alunos defenderam o mestrado no Programa, que conta com 23 orientadores com formação em diversas áreas. Estão matriculados, atualmente, 35 alunos de doutorado e 53 alunos de mestrado. O Programa possui cinco linhas de pesquisa: Estudos em Atenção Primária e Saúde da Família, Ciclo de Vida e Saúde, Epidemiologia e o Processo Saúde-Doença, Políticas, Planejamento e Gestão em Saúde e Métodos Quantitativos em Saúde.

.