Cientistas da Universidade de Nagoya, parceira do IEA, ganham Nobel de Física

Publicado em Ciências por em

Mauro Bellesa / Assessoria de Imprensa do IEA

O Prêmio Nobel de Física de 2014 foi atribuído aos inventores da lâmpada de LED (light-emitting diodes): Isamu Akasaki e Hiroshi Amano, ambos da Universidade de Nagoya, Japão, e Shuji Nakamura, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, EUA. O anúncio dos ganhadores foi feito no início da manhã desta terça-feira, 7 de outubro, em Estocolmo, Suécia, sede da Fundação Nobel.

O Comitê do Nobel justificou a concessão do prêmio aos três cientistas por terem inventado “os eficientes diodos emissores de luz azul, os quais possibilitaram luminosidade e economia de energia de fontes de luz branca”. Segundo o comitê, os LEDs serão a fonte de luz do século 21, assim como as lâmpadas incandescentes o foram no século 20.

Os pesquisadores dividirão um prêmio de US$ 1,1 milhão (cerca de R$ 2,7 milhões), que lhes será entregue em cerimônia em Estocolmo no dia 10 de dezembro.

O Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP sente-se honrado em divulgar essa premiação, pois a Universidade de Nagoya, por intermédio de seu Instituto de Pesquisa Avançada (IAR), do qual Akasaki é membro, é parceira do IEA na Academia Intercontinental, que reunirá jovens pesquisadores de vários países num projeto interdisciplinar sobre o tempo em 2015.

Com a concessão do Nobel a Akasaki e Amano, a Universidade de Nagoya conta agora com seis laureados com o prêmio. Os outros quatro são Makoto Kobayashi (Nobel de Física de 2008), Toshihide Maskawa (Nobel de Física de 2008), Osamu Shimomura (Nobel de Química de 2008) e Ryoji Noyori (Nobel de Química de 2001).

Esses cientistas (com exceção, por enquanto, de Amano) e mais sete outros renomados cientistas compõem a Academia do IAR. De acordo com o site do instituto, “a Academia é composta pelos ‘scholars’ de que a universidade mais se orgulha, os quais fornecem orientação e sugestões relativas ao avanço acadêmico das atividades da universidade, além de transmitirem, por meio da excelência de seus trabalhos, a essência da pesquisa acadêmica a jovens pesquisadores e pós-graduandos.

.