IFSC testa técnica metagenômica contra leishmaniose

Publicado em Pesquisa por em

Da Assessoria de Comunicação do IFSC

No Grupo de Cristalografia (GC) do Instituto de Física de São Carlos (IFSC), pesquisadores realizam testes com a técnica metagenômica para eliminar os protozoários causadores da leishmaniose. A técnica utiliza fragmentos de material genético que levem a produção de substâncias que matem os micro-organismos que provocam a doença. O objetivo é produzir um fármaco mais eficiente e com menos efeitos colaterais para as vítimas da leishmaniose, que atinge mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo.

A técnica trabalha com bactérias ambientais, que não são cultiváveis em laboratório. O começo do processo se dá pela coleta de amostras de solo que, por sua vez, abrigam inúmeros tipos de micro-organismos desconhecidos, que não podem ser cultivados em laboratório e por isso o seu DNA é isolado.

Na amostra de terra, os diversos micro-organismos presentes (que podem ser bactérias, fungos etc.) têm seu DNA extraído (direto da amostra). Por meio de enzimas de restrição, ele (DNA) é fragmentado (cortado em pedaços) e, finalmente, ligado a um vetor (cosmídeo). Resumindo, um pedaço de DNA do micro-organismo será inserido no cosmídeo, formando um plasmídeo recombinante. Esse recombinante é colocado em outra bactéria (E. Coli), esta, por sua vez, possível de ser cultivada em laboratório.

Tal procedimento é feito diversas vezes, com vários micro-organismos encontrados na amostra recolhida, o que resultará na chamada “Biblioteca Metagenômica”. “Uma das bibliotecas testadas contém 300 mil fragmentos de DNA diferentes e outra, que começa a ser analisada agora, tem 500 mil fragmentos de DNA dos micro-organismos encontrados em uma amostra”, conta Izaltina Silva-Jardim, pesquisadora e pós-doutoranda do IFSC.

Depois que a E. Coli recebe plasmídeo recombinante, ela é plaqueada (colocada na placa de Petri para crescer), os parasitas causadores da leishmaniose são plaqueados por cima das bactérias cultivadas, gerando uma co-cultura de bactérias e parasitas. Algum tempo depois, reações físicas entre eles serão observadas: onde a bactéria tiver produzido uma substância que mata a leishmania, tem-se um candidato à produção de fármaco. “Ao redor da bactéria que matou a leishmania podemos observar uma região mais translúcida”, aponta Izaltina.

Eficiência

Na Biblioteca de 300 mil clones (fragmentos de DNA) analisada por Izaltina, apenas 35 clones foram capazes de matar a leishmania. No entanto, devido a algumas interferências (como a bactéria ter crescido sob uma situação de estresse), pode ser que ocorram equívocos em relação a sua eficiência em matar o parasita. Portanto, os clones são retestados e, algumas vezes, o resultado não é animador. “Quando retestamos esses 35 clones, nenhum deles conseguiu matar a leishmania, efetivamente”, lamenta a pesquisadora.

No entanto, em colaboração com pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, Izaltina teve acesso à outra Biblioteca Metagenômica (cedida pelo professor Emanuel Maltempi de Souza), onde encontrou 192 clones de amostras de micro-organismo de solo da Mata Atlântica e outras regiões, já isolados, mas dessa vez em meio líquido. “Agora, ao invés de plaquear as bactérias e esperar elas crescer e depois plaquear a leishmania por cima, fizemos diferente. Pegamos os clones e deixamos crescer em meio líquido”, diz. “Durante seu crescimento, a bactéria produziu substâncias e as jogou no meio. Esperamos cinco dias e depois separamos o líquido das bactérias e o colocamos na cultura de leishmania”.

Dos 192 clones, 13 deram ótima atividade, ou seja, depois de testados e retestados, cerca de 50% das leishmanias foram mortas pelas substâncias produzidas pelas bactérias e misturadas ao líquido. O próximo passo é, justamente, isolar todas as substâncias encontradas no líquido, para descobrir qual delas é a responsável pela morte da leishmania. “Quando isolamos essas substâncias, temos que isolar suas estruturas químicas e aí, então, poderemos saber de ‘quem’ se trata”, afirma Izaltina.

O DNA dos 13 clones positivos será sequenciado. “Nesse sequenciamento, podemos, às vezes, identificar de qual tipo de bactéria veio a substância para chegarmos a um produto único que poderá ser usado como remédio”, explica a pesquisadora. “A substância candidata ao fármaco deve matar a leishmania, mas sem afetar as células humanas”.

Portanto, ainda in vitro, testes são feitos com células saudáveis e infectadas de camundongos, depois disso com células humanas saudáveis e infectadas (paralelamente fazendo testes de toxicidade, farmacológicos etc.) com a substância. Considerando que todas as etapas tenham sido bem sucedidas e contando com aprovação de comitês de ética e agências de vigilância sanitária, iniciam-se os testes com humanos. “Começando por pacientes saudáveis e tendo observado que não houve efeitos colaterais nem reações negativas, passa-se aos pacientes infectados: primeiros grupos pequenos, depois grupos maiores. Tudo isso leva, em média, dez anos”, ressalta Izaltina.

Mais informações: (16) 3373-9758, site www.ifsc.usp.br, email comunicifsc@ifsc.usp.br

.