Novo método de ensino no Instituto de Física torna professores mais “socráticos”

Publicado em Educação, USP Online Destaque por em

Instituto de Física da USP adota novo método de ensino, que inclui o uso de tecnologias e maior participação do aluno em sala de aula

O modelo tradicional de ensino há muito tempo é discutido. Há uma forte tradição das aulas expositivas – principalmente na área de exatas –, que demonstram ser pouco eficientes na retenção do conteúdo. Para mudar esse quadro, o Instituto de Física (IF) da USP adotou um novo método, desenvolvido na Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. De acordo com esse método, o aluno se prepara previamente em casa, antes de cada aula, e a sala é adaptada para discussões em grupo e para o uso de computadores.

A principal diferença do novo modelo de ensino é que o estudante tem o primeiro contato com o conteúdo em casa, através dos livros e apostilas, e em sala esse conhecimento é sedimentado. O professor pode focar em assuntos mais relevantes e naquilo que os alunos têm mais dificuldade, esclarecendo melhor as dúvidas.

O debate e as discussões em grupo também são estimulados. Um aluno com mais facilidade em determinado assunto se beneficia ao ter que explicá-lo para outra pessoa, porque sistematiza e organiza seus conhecimentos em sala de aula. Já o estudante com mais dificuldades ou timidez se sente mais à vontade para expressar suas dúvidas para um colega de classe do que para o professor.

A estrutura da sala de aula também é repensada, com a inserção da tecnologia. As mesas são adequadas para essa discussão em grupo, com um notebook para cada três alunos, ligado na internet. Há três telas espalhadas pela sala, que reproduzem o que o professor insere no computador. O estudante pode enxergar o conteúdo de qualquer ângulo, sem precisar se virar. Há também uma série de lousas espalhadas pelo ambiente, para que os alunos possam levantar, desenhar e resolver tarefas, para depois serem comentadas pelo professor. Essa dinâmica faz com que eles trabalhem o tempo todo na aula, propondo discussões.

Planejamento

Foto: Reprodução | Aulas no Instituto de Física: salas adaptadas para discussões em grupo

Esse método foi aplicado integralmente em 2015 para as disciplinas de Física I e II do Instituto de Física, mas já era planejado havia três anos. Segundo a professora Carmen Prado, professora do Departamento de Física Geral do IF, a proposta foi estudada com cautela, discutida na Comissão de Graduação e chegou a ir para a Congregação, onde foi aprovada. “Foi uma iniciativa institucional. Não é um modismo, uma aventura ou a importação de algo que veio de algum lugar. Houve um planejamento.” Também participam do projeto os professores José Roberto Oliveira, Marcio Varella, Maria Teresa Lamy, Renato Higa, Vera Henriques e André Vieira.

Em 2013, começou o planejamento e a construção da infraestrutura. Nesse meio tempo, os professores envolvidos com a disciplina participaram de um seminário para se familiarizar com o novo método. Além disso, a Comissão de Graduação patrocinou a viagem do professor André Vieira para a Universidade da Carolina do Norte, a fim de que ele tivesse contato com o criador do método, o professor Robert Beichner, além de assistir a algumas aulas.

“A viagem foi importantíssima para conhecermos melhor os desafios envolvidos na implantação do método e para nos convencermos da viabilidade de implementá-lo no Instituto de Física”, comenta Vieira. “O professor Beichner falou sobre o desafio que é adaptar a própria atitude do docente em sala de aula a uma postura mais ‘socrática’, em que o professor ensina mais através de questionamentos do que tenta repetir para o aluno o conteúdo do livro.”

O desafio que é adaptar a própria atitude do docente em sala de aula a uma postura mais ‘socrática’, em que o professor ensina mais através de questionamentos do que tenta repetir para o aluno o conteúdo do livro.

Já no ano passado, os professores começaram a ministrar aulas híbridas, no ciclo de Física Básica, com uma aula por semana no novo formato e duas no tradicional. Em 2015, a nova metodologia foi aplicada integralmente. Segundo a professora Carmen Prado, o instituto ainda não coletou dados suficientes para comprovar a melhora no desempenho dos alunos, mas a diferença é perceptível. “Fizemos uma enquete para avaliar a eficiência e o resultado foi muito positivo: entre 60% e 70% dos alunos afirmaram que preferem o novo modelo, e a maioria disse que aprendeu mais e melhor assim”, comemora a professora. “Dentre os mais de mil trabalhos produzidos no mundo que avaliaram essa experiência, quase todos apontaram sistematicamente uma melhora importante na aprovação, na diminuição da evasão e também no ganho conceitual, mesmo dos alunos que já iam bem.”

Ainda segundo a professora, há uma intenção clara da comissão organizadora do curso de Bacharelado em Física em expandir o novo método para as disciplinas Física III e Física IV. “Dar uma aula nesse formato não é muito mais difícil do que no modo usual, desde que a infraestrutura e o material didático estejam prontos”, finaliza Carmen.

Thiago Castro/Jornal da USP

.