Boletim Malala: a multiplicidade de olhares sobre o Oriente Médio e o Mundo Muçulmano

Publicado em Sociedade, USP Online Destaque por em

Compreender os diversos aspectos que envolvem o Oriente Médio e o Mundo Muçulmano exige análises detalhadas, embasamento teórico e percepção para distinguir entre os fatos e os exageros. Os estudos nesta área são ainda fracamente desenvolvidos no Brasil, não existindo tantos grupos de pesquisas ou publicações a respeito. Por essas razões, é comum que as discussões sobre o universo islâmico provoquem mal-entendidos e reforcem a crença em mitos.

Em busca de diminuir os preconceitos e oferecer informações fidedignas, que promovam e testem novas interpretações, foi criado o boletim eletrônico Malala. A revista é uma publicação do Grupo de Trabalho Oriente Médio e Mundo Muçulmano (GTOMMM) do Laboratório de Estudos da Ásia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. Com quatro anos de existência, o GTOMMM desenvolve atividades em três eixos: debates, que acontecem mensalmente; atividades de campo, com visitas a centros culturais e religiosos e, mais recentemente, a incorporação do boletim Malala, que, além da publicação de pesquisas, pretende fomentar debates acerca dos estudos do grupo. O formato digital permite alcançar um amplo público “interdisciplinar”

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

De acordo com o professor Peter Robert Demant, coordenador do GTOMMM, “a revista Malala mantém um segmento crítico, mas que tenta criar uma empatia do público com o mundo islâmico”. A intenção é debater alguns dos grandes dilemas da contemporaneidade e abrir espaço para que se possa aprender sobre um mundo geograficamente distante, mas próximo e influente de forma política.

Para o coordenador do GTOMMM, grande parte das opiniões equivocadas em relação ao mundo islâmico são fruto de ideias erradas perpetuadas pela mídia e acontecimentos mal explicados. “Isso, muito comumente, acontece quando convicções e opiniões pessoais são traduzidas em posições políticas”, assegura. “Dessa maneira, é um dever dos pesquisadores buscar mecanismos para que possam compartilhar suas pesquisas e dividir seus conhecimentos com a sociedade”, completa.

A organização

A revista Malala, que está na edição número três – composta por dois volumes – é formada através da participação de pesquisadores brasileiros e estrangeiros; com trabalhos que são, em sua predominância, originais, mas podem ser republicações também. A revista é um espaço aberto a todos que desenvolvam trabalhos que estejam em diálogo com o islã e o Mundo Muçulmano, sendo que todas as propostas são avaliadas pela comissão editorial do boletim. Além disso, é uma plataforma para divulgação de pesquisas finalizadas e em andamento.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Os textos da revista são dos mais variados tipos, incluindo relatórios de viagem, escritos por pesquisadores que estiveram há pouco tempo em algum país do mundo islâmico, ou país em que a temática islã se mostre preeminente; resenhas de livros e filmes com recorte voltado ao islã; artigos de cunho acadêmico, além de ensaios e artigos opinativos. Ademais, acompanha todas as edições um pequeno texto que explica a escolha do nome Malala para o boletim, uma alusão a Malala Yousefzai, a jovem paquistanesa conhecida em todo o mundo por defender o direito à educação das meninas no Paquistão. Segundo o professor Peter Robert Demant, “Malala faz com que as pessoas acreditem que é possível ultrapassar preconceitos e formar espaços onde a discussão e troca de informações aconteça de maneira clara e plural”.

Entre os assuntos mais recorrentes abordados no boletim estão a guerra civil na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina. No volume número 1 da terceira edição, está uma entrevista feita pelo boletim Malala com o professor Samuel Feldberg, intitulada “O máximo que Israel está disposto a oferecer não chega ao mínimo que os palestinos estão dispostos a aceitar – e vice-versa”. Nela, é abordada a visão do professor acerca das negociações de paz entre Israel e a Palestina. O número seguinte contém uma entrevista com a professora Arlene Clemesha, com a posição dela sobre o mesmo conflito. No mesmo volume, Rogel Tavares, membro do GTOMMM, narra, no texto “Impressão das Impressões”, viagens a Israel e ao Egito e a forma como sua visão sobre esses países mudou em relação às suas concepções anteriores.

A coletânea conta, também, com artigos sobre a proposta binacional para resolver o conflito entre Israel e a Palestina, de Danilo Guiral Bassi; representações de Israel e Palestina em HQ, de Patrícia Rangel; Frantz Fanon e a Palestina, de Mauro Saccol e diversos outros textos.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A próxima edição de Malala trará análises sobre o islã e seus críticos, visando saciar dúvidas referentes ao tema. O ponto de partida da equipe editorial para delimitar o assunto foram os atentados ao jornal satírico Charlie Hebdo, que aconteceram em janeiro. O episódio fomentou discussões sobre liberdade de expressão e respeito às religiões e ideologias. Será analisado, portanto, “qual o preço e a consequência de não se tolerar certas críticas e certos críticos e se esquivar de certos debates?”.

Interessados em submeter trabalhos para incorporação na próxima edição podem fazê-lo através do site da revista  (no ícone “submeter texto”)  até o dia 1º de agosto. As normas para publicação estão disponíveis neste link.

Serviço

O boletim Malala pode ser acessado gratuitamente no Portal de Revistas da USP. Todas as edições estão disponíveis para consulta e download em formato PDF.

O GTOMMM conta, também, com o blog GT USP Oriente Médio e Mundo Muçulmano, onde são publicados eventos e realizações do grupo.

Mais informações: site www.revistas.usp.br/malala, email malala@usp.br

 

.