Beta-ionona tem potencial preventivo para câncer de fígado

Publicado em Saúde por em

A susbtância beta-ionona (BI) tem potencial quimiopreventivo para o câncer de fígado. Encontrada em uvas e aromatizantes de vinhos, a BI é um composto bioativo da classe dos isoprenóides, envolvido com a via metabólica do mevalonato e a síntese do colesterol. Em testes realizados com animais, na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP pela pesquisadora Mayara Lilian Paulino Miranda, verificou-se que a BI reduziu lesões pré-neoplásicas (LPN) no órgão, que precedem o câncer. O estudo também apresenta indícios de que a substância atenua o desenvolvimento da doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), causada pelo acúmulo de gordura no fígado, que pode estar relacionada ao aparecimento das lesões.

De acordo com Mayara, o termo NAFLD designa um grupo de doenças definidas por esteatose hepática (presença de gordura no fígado) em mais de 5% dos hepatócitos (células do fígado), na ausência de consumo de etanol (álcool). “Ela pode resultar em resistência hepática e periférica à insulina”, relata. “Conforme o grau, também desencadeia lesões por estresse oxidativo, lesão hepática mediada por citocinas, hepatotoxicidade mediada por ácidos graxos livres (AGL), concentrações elevadas intra-hepáticas de colesterol, hiperinsulinemia, hiperleptinemia, hipoadiponectinemia, e a apoptose (morte celular)”.

A morte celular pode resultar em necroinflamação e fibrose, que são consideradas lesões classificadas como LPN em seres humanos. A NAFLD pode variar de simples esteatose a sua forma mais grave, esteatohepatite não alcoólica (NASH) . “A prevalência da doença pode ser de 30% da população em países industrializados e está aumentando em países em desenvolvimento devido à mudança de hábitos alimentares”, aponta a pesquisadora. “Estima-se, ainda, que na obesidade mórbida há um risco aumentado de 90% de desenvolvimento de NAFLD”.

Para verificar o potencial quimiopreventivo da BI, a pesquisa mediu o número e a área das LPNs, por meio de marcação de imunohistoquímica GST-P. “A proliferação celular foi medida por dupla marcação de imunohistoquímica para GST-P e KI67”, afirma a pesquisadora. A imunohistoquímica é a identificação de epítopos no tecido por meio da reação entre antígeno e anticorpo, revelada por um marcador visual e examinada por microscopia óptica ou eletrônica. “Foi realizada ainda a quantificação da apoptose em lâminas de Hematoxilina e Eosina (H&E), avaliação do dano celular por meio da técnica de cometa e avaliação do escore de células ovais nestes tecidos, também em lâminas de H&E”.

Efeito quimiopreventivo

Células ovais hepáticas são reconhecidas como células progenitoras, ou seja, que podem se diferenciar e dar origem a outras células como hepatócitos e colangiócitos. Essas células muitas vezes estão aumentadas em LPNs, e segundo a teoria hierárquica, podem dar origem a neoplasias. “A BI reduziu o número e área das LPNs persistentes, além de reduzir a proliferação celular e o escore de células ovais. Isso demonstra que o composto apresenta um potencial efeito quimiopreventivo”, ressalta Mayara. “Além disso, há evidências de que a substância atenua o desenvolvimento da NAFLD, por reduzir o grau de esteatose e de inflamação”

A pesquisa também verificou que a doença potencializa o desenvolvimento de LPNs em ratos Wistar submetidos ao modelo do hepatócito resistente (RH) na etapa de iniciação e promoção inicial da hepatocarcinogênese (câncer de fígado). “Também foi observada a possível atividade quimiopreventiva da BI na associação entre NAFLD e RH (AS)”, diz Mayara.

A BI é um composto bioativo da classe dos isoprenóides presentes na estrutura molecular do retinol, β-caroteno (BC) e ácido retinoico e pode ser encontrada em uvas e aromatizantes de vinhos. “Isoprenóides são compostos bioativos que contém estruturas repetidas de cinco carbonos, relacionados com a via do mevalonato, uma via metabólica do ácido mevalônico que gera como subprodutos escaleno, lanosterol e colesterol, diz a pesquisadora. “Entretanto a biodisponiblidade da BI é reduzida, sendo necessário um consumo muito superior ao humano para atingir doses com efeito biológico considerável”, descreve a pesquisadora.

O composto possui potencial quimiopreventivo demonstrado em diversos estudos in vitro em células neoplásicas como de mama, colón, gástrico, melanoma e leucemia. “Entretanto são poucos os estudos in vivo com esse isoprenóide, de modo que são ainda necessárias mais pesquisas até que seja viável sua utilização em estudos com humanos”, conclui Mayara. A pesquisa foi orientada pelo professor Fernando Salvador Moreno, da FCF, que desenvolve estudos na área de quimioprevenção do câncer.

Júlio Bernardes / Agência USP de Notícias

Mais informações: email mlpmiranda@gmail.com, com Mayara Lilian Paulino Miranda

Beta-ionona tem potencial preventivo para câncer de fígado
Editoria: Saúde - Autor: - Data: 20 de agosto de 2015

Palavras chave: , , , ,

.