Foto: Divulgação / Jornal da USP

Rádio USP: nas ondas da educação e da cultura

Publicado em Institucional por em

Vinculada à USP, a Rádio USP FM (93,7 MHz) foi fundada em 11 de outubro de 1977. Portanto, comemora exatos 38 anos de funcionamento ininterrupto. Com quase quatro décadas de atividades, a emissora é hoje uma importante fonte de educação, cultura, informação e lazer de qualidade para a população.

A base da programação da Rádio USP FM está alicerçada no jornalismo e na música. A equipe de jornalismo alimenta a grade com a produção de boletins (com destaque para o “USP Express”, das 17 às 19 horas, um programa misto de música e notícia, além das informações transmitidas durante a programação) e radiojornal (“USP Notícias”, das 7 às 8 horas).

Já os discotecários são responsáveis pela maior parte da programação musical, geralmente do gênero Música Popular Brasileira (MPB), com destaque para o “Som da USP”, transmitido das 8 às 12 horas, das 13 às 17 horas e das 20 às 22 horas, e o “Madrugada USP”, de 0 às 6 horas da manhã.

Além do trabalho de rotina, a equipe da emissora ainda produz programas dos mais variados formatos, com destaque para a radiorrevista “Via Sampa”, com coordenação de Heloísa Granito, transmitida das 12 às 13 horas, de segunda a sexta-feira. Também é importante destacar a parceria com a Agência USP de Notícias para a transmissão de boletins sobre pesquisas realizadas na USP.

Premiação

Foto: Divulgação / Jornal da USP
Foto: Divulgação / Jornal da USP

A produção de especiais também é uma marca da emissora, com destaque para as premiadas reportagens do jornalista Fábio Rubira. A reportagem especial “Milho: Alternativa alimentar”, veiculada no “USP Notícias”, primeira e segunda edições, de 30 de abril de 2008, foi contemplada com o 3º Prêmio Abimilho de Jornalismo, promovido pela Associação Brasileira das Indústrias do Milho, na categoria Rádio. A matéria “50 Anos da União Europeia” recebeu o Prêmio de Jornalismo 50 Anos de União Europeia, concedido pela Delegação da Comissão Europeia no Brasil. O programa foi contemplado na categoria Rádio por uma série especial de reportagens veiculada na emissora em março de 2007. O repórter também foi finalista da 9ª edição do Prêmio Líbero Badaró de Jornalismo, na categoria Radiojornalismo, pela série de reportagens “Especial Eleições 2002”, veiculada de junho a setembro daquele ano.

A iniciativa da Rede USP de Rádio foi premiada, logo no primeiro ano, como destaque na categoria Rádio, pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), que também contemplou a emissora em 2000, com as distinções de Melhor Programação Musical, Melhor Programação de Cultura Geral e Melhor Programa de Variedades. No mesmo ano, a Rádio USP FM (93,7 MHz) também foi premiada com o Prêmio Jabuti, da Câmara do Livro, e no Terceiro Concurso Internacional de Programas de Rádio, promovido pela Rádio Cubana e vencido pelo “Clip Atualidades”. Em 2012, o programa “Palavra do Reitor” foi o vencedor do Prêmio APCA na categoria Melhor Programa de Rádio na Área de Cultura.

Diferencial

O diferencial da Rádio USP está na produção alternativa da equipe da casa, como o programa “É Bom Saber” (de Cido Tavares), “Biblioteca Sonora” (Marcelo Bittencourt) e “Dance Night Away” (Celso dos Santos Filho), mas também dos produtores independentes, com destaque para os programas “Saúde Feminina” (de Alexandre Faisal), “Clip Informática” (de Alexandre Fejes Neto), “Agente 93” e “Rádio_Brazuca” (de Régis Tadeu), “Alquimia” (Simone Moon), “Vira e Mexe” (Paulinho Rosa), “Olhar Brasileiro” (Omar Jubran), “O Sul em Cima” (Kleiton Ramil), “Jazz Caravan” (Ricardo Corte Real), “Rádio Base, Urgente!” (Marco Ribeiro), “Radiocaos” (Samuel Lago e Rodrigo Homem Del Rei) e “Blues Power” (Cáio Ávila), entre outros.

Os programas “O Samba Pede Passagem” (sábado e domingo, das 12 às 14 horas), coordenado por Moisés da Rocha, e “Rádio Matraca” (sábado, das 17 às 18 horas), de Laerte Sarrumor, Alcione Sanna e Ayrton Mugnani Júnior, são os espaços de maior audiência da emissora, hoje com média de 20 mil ouvintes por minuto.

Foto: Marcos Santos
Foto: Marcos Santos

 

 

Também merecem destaque os projetos Momento Grandes Mulheres, idealizado pela jornalista e locutora Annete Moreira, o programa “Memória”, do jornalista e radialista Milton Parron, e o programa “É o Bicho!!”, da jornalista Silvana Pires.

Ribeirão Preto

A Rede USP de Rádio inclui a Rádio USP FM de Ribeirão Preto (107,9 MHz), que produz programas especiais e boletins educativos e informativos. A emissora do interior funciona nas mesmas instalações inauguradas em 1988, onde fica o Serviço de Comunicação Social da Coordenadoria do Campus (CCRP), que tem dois estúdios, operador de som e locutor, além de estagiários. O Serviço de Comunicação conta ainda com jornalistas, técnico administrativo, fotógrafo e diagramador, que, além das atividades da rádio, produzem um jornal semanal, alimentam diariamente o portal e atendem à imprensa local e nacional.

Além da grade musical e do boletim “Minuto da Notícia” (ambos com base na região), destaca-se a produção dos programas “FEA Comunidade”, “O Ambiente é o Meio” e “Minuto do Agronegócio”, em parceria com as unidades da USP de Ribeirão Preto, e “Dica Legal”, com dicas culturais e de lazer da cidade.

Parceria

Foto: Divulgação / Jornal da USP
Foto: Divulgação / Jornal da USP

Os mais variados gêneros jornalísticos e musicais possibilitam ao ouvinte ter acesso a uma série de produtos variados, sem ficar limitado ao modelo música-informação, base da programação das emissoras brasileiras. Um dado importante é que a emissora disponibiliza os arquivos dos programas no site, sendo possível aos internautas acessarem os mesmos, inclusive os que já não são mais veiculados.

A seleção dos programas é de responsabilidade da equipe da rádio, por meio de critérios de qualidade para uma emissora educativa, que é organizada da seguinte maneira: o produtor interessado manda uma proposta, que é analisada pelo aspecto da inovação (se não tem nada na mesma linha já sendo veiculado), além do conteúdo e da forma a ser apresentado no programa.

Esse contexto possibilitou a ampliação (além dos estágios) da parceria entre a Rádio USP FM e a Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, por meio da veiculação de programas e projetos dos alunos dos cursos de Comunicação Social, em especial os de Audiovisual e de Jornalismo.

Especiais como “Trilhas & Rolos”, “Rock sem Dono” e “Nova Trilha” foram produzidos pelos alunos do Curso Superior de Audiovisual, por iniciativa do professor Eduardo Vicente, e possibilitaram a abertura da grade da programação. Essa política fomentou outras iniciativas, como a transmissão de trabalhos de conclusão de curso e produções independentes ou didáticas dos alunos e professores, entre outras.

A iniciativa da Rádio USP, mantida pelo diretor Celso dos Santos Filho, pela coordenadora de Programação Silvana Pires e pelo diretor técnico Dagoberto Alves, culminou com a manutenção e transmissão, sem interrupção desde 2008, do programa “Universidade 93,7”, veiculado sempre aos domingos, das 11h30 às 12 horas. O programa é produzido pelos alunos do curso de Jornalismo da ECA, que exploram temas do cotidiano por meio de uma linguagem jornalística e criativa. As gravações e produções são realizadas no Departamento de Jornalismo e Editoração, com a finalização e supervisão da Rádio USP. Além de estarem no site da emissora, os produtos são disponibilizados para download no site do programa, onde é possível ter acesso a outros conteúdos, como vídeos, cartazes e textos produzidos pelos alunos. Já são mais de 300 programas transmitidos nesses anos de veiculação.

A parceria não para de crescer. Desde 2013, projetos de cultura e extensão são executados pela proposta desenvolvida entre a ECA e a Rádio USP. Os alunos passam parte do tempo na ECA e outra parte na emissora, como acontece agora com a experiência do programa “Momento Grandes Mulheres”, pela bolsista Aryanna dos Santos Oliveira. O projeto visa ao aprendizado da aluna pela coprodução de programas em multimídia, ampliando o projeto da jornalista Annete Moreira. O programa “Você no Esporte” segue a mesma linha e já foi aprovado pelo Programa Aprender com Cultura e Extensão, da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP, para início ainda em 2014.

Pesquisas

A emissora também é objeto de diversas pesquisas acadêmicas, com destaque para o pioneirismo da professora Gisela Swetlana Ortriwano (1948-2003), que publicou importantes artigos sobre a emissora, como “Rádio USP – Procurando sua história” (1997) e “Rádio USP – Fazendo história” (Jornal da USP, 5 de outubro de 1998, páginas 13 e 14). Além disso, aliou ciência e produção no planejamento do programa “Cantores Bons de Bico”, transmitido pela Rádio USP, inclusive sendo destaque no programa “Repórter Eco”, da TV Cultura, em 27 de junho de 2004.

Foto: Marcos Santos
Foto: Marcos Santos

A emissora também inspirou o aperfeiçoamento de profissionais da casa, com destaque para a dissertação de mestrado do jornalista Luiz Marcello Bittencourt (“Ficção e Realidade – O rádio como mediador cultural”), elaborada em 1999 no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA, e para outras pesquisas feitas na ECA, como o trabalho de pós-doutorado deste articulista, “O Ensino do radiojornalismo no Brasil e em Portugal – Experiências luso-brasileiras”, realizado em 2011, em Braga (Portugal). Publicado em livro em 2013, destaca o trabalho pedagógico da Rádio USP FM e da Rádio Universitária do Minho (RUM FM 97,5). A emissora também é objetivo de outra pesquisa em pós-doutorado, que tem como tema “A Implantação da Rádio FM UFMS, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul”, pela professora Daniela Cristiane Ota.

Estrutura

A rádio está localizada atualmente na rua do Matão, 1.578, na Cidade Universitária. A sede atual foi recentemente inaugurada e conta com quatro estúdios (uma central para transmissões ao vivo e três de apoio para produção e gravação). Além disso, conta com salas de redação, produção, atendimento ao ouvinte/redes sociais, desenvolvimento e manutenção/internet, discoteca, manutenção, copa e administração/diretoria, além dos banheiros, incluindo o de deficientes físicos. O local é dividido com a TV USP, sendo que os estúdios ficam no primeiro andar do prédio e as salas, no térreo, justamente para facilitar o trabalho das equipes, já que os estúdios precisam de silêncio para gravação e as salas convivem com o barulho decorrente de processos como a captação de informações e atendimentos, entre outros.

Para viabilizar o funcionamento, a emissora possui profissionais fixos, como jornalistas, radialistas, sonoplastas, profissionais de manutenção, discotecários, produtores, locutores, responsáveis pelo Serviço de Atendimento ao Ouvinte e pelo site, técnicos que cuidam especificamente do controle da transmissão e da antena no Pico do Jaraguá, diretor e secretaria, sem contar os contratados temporariamente, entre eles, os estagiários (selecionados segundo os critérios oficiais da USP), os profissionais de limpeza e de segurança (estes dois últimos, terceirizados). A equipe de jornalismo e produção está sempre disponível para o atendimento dos interessados em visitar a emissora, receber pautas e sugestões, atender os ouvintes e enviar repórteres, entre outras atividades.

Por: Luciano Maluly, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP / Especial para o Jornal da USP

.