Futuros médicos ampliam conhecimentos com ensino a distância, revela estudo da FMUSP

Publicado em Educação por em

Sandra O. Monteiro / Agência USP de Notícias

Pesquisa realizada na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) desenvolveu programa de educação a distância (EAD) em Dermatologia para estudantes de medicina de graduação e demonstrou que a modalidade de educação pode melhorar o aprendizado dos alunos. De acordo com a dermatologista e professora universitária Cristiana Silveira, o intuito foi avaliar o impacto deste mecanismo de ensino no aprendizado dos alunos e buscar uma alternativa para a pouca carga horária desta especialidade nos cursos de graduação brasileiros.

A pesquisadora explica que, “embora 15 % das queixas nos ambulatórios gerais de medicina sejam devido a problemas dermatológicos, os médicos se sentem pouco à vontade para conduzir o tratamento de um paciente com doenças na pele, pois em geral seu contato com doenças dermatológicas na faculdade é muito restrito. Se resume a uma média de 25 horas de aula durante todo o curso”.

A pesquisa envolveu 44 alunos do segundo ano de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Tecnologia e Ciências de (FTC) de Salvador, na Bahia. O curso foi composto por video-aulas, textos, forum de discussão e questões de reforço após as aulas. O assunto do curso incluiu anatomia, histologia, fisiologia e propedêutica dermatológica.

Os estudantes foram divididos em dois grupos. Após uma avaliação de conhecimento prévio, um dos grupo participou de atividades apenas presenciais. O outro, além das aulas presenciais, teve acesso ao curso de educação à distância. Ao término, foram realizadas novas avaliações e verificado que os alunos que realizaram os dois tipos de atividade tiveram melhor desempenho nas provas. A dermatologista explica que “houve uma diferença de 1.15 pontos entre os grupos na avaliação posterior ao curso. A media dos que tiveram acesso às aulas on line foi 8.9, enquanto a dos alunos apenas presenciais foi de 7.75”.

Outro dado interessante foi a pesquisa de satisfação em que 98% dos alunos que tiveram acesso às aulas on line conceituaram-nas entre bom e ótimo. “E passaram a cobrar mais cursos deste tipo, mas existem algumas dificuldades, pois cada aula do curso a distância necessita de um tempo muito maior para ser finalizada, quando comparada ao ensino presencial”, conta.

Ensino à distância

Para ela, embora tenha sido trabalhoso fazer o curso pela primeira vez, a vantagem é que após finalizado basta atualizá-lo. Um fato interessante é a possibilidade de se prender a atenção do aluno e de mantê-lo motivado com a associação de imagens, vídeos e áudios às aulas, pois “há maior liberdade neste tipo de curso”. Para a dermatologia, em específico, que é uma especialidade visual, “as imagens complementam a teoria e facilitam o aprendizado”, complementa.

A pesquisadora pôde constatar que, de uma forma geral, existem outros benefícios no uso do ensino a distância quando comparado ao ensino presencial. Um deles é o fato de não ser necessário o deslocamento nem do aluno, nem do professor para o local do curso. Outro é a flexibilidade de horário para o aluno. Segundo a pesquisadora, “ alguns dos estudantes assistiram ao curso de madrugada ou no final de semana e outros o fizeram de forma contínua, ou seja, assistiram as aulas em um mesmo dia, como um curso intensivo”.

Ela diz que o fato de o curso ser a distância “não significa, entretanto, que vá existir uma ausência de contato entre o professor e o aluno. “Houve um forum on line para auxiliar em discussões sobre os assuntos das aulas. O aluno postava uma pergunta e em um período máximo de 12 horas a questão era respondida”, comenta. Para ela, esta iniciativa, na realidade, aumentou o tempo de contato entre aluno e professor.

Ainda quanto a esta relação professor/aluno, ela diz ter se surpreendido não tanto com o fato de que alunos disciplinados fazerem o curso de maneira disciplinada, mas ao verificar que alunos que possuíam um comportamento tímido no curso presencial participavam ativamente das aulas on line.

Segurança das informações

Quanto à segurança, o site possui acesso restrito. O aluno só pode acessá-lo por meio de uma senha pessoal. Assim, o conteúdo do curso é disponibilizado apenas para os alunos cadastrados, até mesmo porque o Conselho Federal de Medicina não permite a divulgação de fotos de pacientes sem a finalidade de estudo.

Distância e medicina

“Apesar de os cursos de medicina ainda serem essencialmente presenciais, os cursos à distancia podem se tornar uma alternativa para complementar o tempo de treinamento em dermatologia durante o período de graduação”. E reflete que um médico com pouco tempo de treinamento pode não conduzir bem o tratamento de seus pacientes. E, com isso os gastos com saúde aumentam”.

Ela espera que em breve essas novas modalidades de educação passem a fazer parte do treinamento médico em dermatologia. Outra modalidade que utiliza as novas tecnologias a serviço da dermatologia é a teledermatologia que tem se tornado “uma nova opção ao atendimento a pacientes que possuem problemas de locomoção ou se encontram em áreas de difícil acesso .”

Para o estudo foi desenvolvido um curso a distância em conjunto com o professor Murilo Barreto do Departamento de Informática Médica da FTC. A dissertação de mestrado Projeto de educação a distância em dermatologia voltado para estudantes de graduação em medicina foi orientada pelo professor Paulo Criado, da FMUSP.

Mais informações: email silveira.cristiana@gmail.com 

.