Encontro na FMRP busca saídas para diminuir a vulnerabilidade social

Publicado em Sociedade, USP Online Destaque por em

Nos dias 9 e 10 de agosto o curso de Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP promove o primeiro Encontro de Saúde, Ocupação e Contextos Psicossociais: População em Vulnerabilidade, Intersetorialidade e Cidadania. O evento é direcionado a profissionais, estudantes e docentes que têm interesses nas áreas social, educacional, cultural, jurídica, de saúde e de administração pública.

Regina Célia Fiorati, professora do curso de Terapia Ocupacional da FMRP e uma das organizadoras do evento, destaca que o objetivo é discutir e refletir sobre a vulnerabilidade social para elaborar políticas públicas na área.

Vulnerabilidade social é um conceito que abarca grupos sociais muito pobres e que, por isso, não tem acesso a cultura, educação e necessidades básicas. Regina ressalta que, em casos extremos e infelizmente não raros, a pessoa que se enquadra nesse conceito pode chegar à “situação de exclusão social, que é uma ruptura completa com as relações do mercado de trabalho, fontes de geração de renda, e com redes de suporte social”.

Segundo um estudo de 2004 realizado pela prefeitura de São Paulo, a situação de vulnerabilidade social é especialmente evidente em bairros mais periféricos. Não chega a ser novidade dizer que não existem políticas públicas eficazes para redução do problema. De acordo com Regina:

“As políticas existentes são paliativas e acabam proporcionando apenas a assistência social de caráter tutelar, sem propiciar medidas para a autonomia”.

Ela também classifica como fundamentais a criação de redes de suporte social, inclusão no mercado de trabalho e geração de renda.

Uma saída, o que o encontro espera iniciar, é a elaboração de políticas públicas intersetoriais que atuem, por exemplo, na alfabetização efetiva desses grupos. Segundo dados do IBGE, em 2010 9,6% da população brasileira com mais de 15 anos era analfabeta. Já um estudo realizado pelo Instituto Paulo Montenegro/Ibope e pela Ação Educativa, feito em 2011, atesta que um em cada quatro brasileiros tem nível rudimentar de alfabetização.

Para a docente, o ideal – e que na sua opinião não existe atualmente – é a criação de programas de educação para qualificar profissionalmente e culturalmente essa população, além de programas de prevenção de álcool e drogas, programas culturais voltados a qualificação cívica e programas destinados a redução e extinção da pobreza urbana – e que eles sejam combinados. Isso porque a assistência social não consegue abarcar sozinha uma problemática com tal complexidade,  e que envolve múltiplas causas (históricas, econômicas, políticas, culturais e sociais).

Preconceito

As consequências da exclusão social são bem caracterizadas na situação dos moradores de rua. Recentemente, foram veiculadas na imprensa notícias que denunciam abusos de poder por parte de representantes das guardas metropolitanas. Nos casos relatados e documentados, moradores de rua são vistos sendo espancados por guardas ou tendo seus objetos pessoais levados em caminhões de entulhos.

“A população em situação de rua fica constantemente exposta à violência da sociedade e institucional.”

Para a professora, isso se deve às concepções preconceituosas de que morar na rua é uma opção do sujeito, que é preguiçoso, vagabundo, viciado. “Essas crenças sustentam as ações de violência da população e de órgãos governamentais”, analisa.

Serviço

O Encontro de Saúde, Ocupação e Contextos Psicossociais: População em Vulnerabilidade, Intersetorialidade e Cidadania acontece nos próximos dias 9 e 10 , no auditóirio vermelho do Hemocentro de Ribeirão Preto. O endereço é a Av.Tenente Catão Roxo, 2501.

Para mais informações e inscrições, acesse o folder do Encontro ou envie email para eventodevunerabilidadesocialto@gmail.com.

 

.