MENUMENU

Lenho carbonizado mantém suas características anatômicas e garante a fiscalização em carvoarias

Alunos da Esalq ganharam menção honrosa no 20ª Simpósio Internacional de Iniciação Científica da USP com pesquisa que indicou forma prática de controlar desmatamento ilegal de florestas brasileiras

 Lucas Jacinto / Assessoria de Imprensa Esalq

Alunos do Departamento de Ciências Florestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP desenvolveram uma pesquisa de iniciação científica em que avaliaram o carvão vegetal do lenho (madeira) de quatro diferentes espécies florestais tropicais. O objetivo era demonstrar a aplicação da antracologia como ferramenta na identificação de espécies e seu potencial no controle ambiental. O trabalho foi orientado pelo prof. Mario Tomazello Filho, do Departamento de Ciências Florestais (LCF) e co-orientado pela dra. Célia Regina Montes, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena).

A pesquisa foi apresentada na 20ª edição do Simpósio Internacional de Iniciação Científica da USP (SIICUSP), entre os 22 e 26 de outubro de 2012, no Campus da USP que fica em Pirassununga. O grupo recebeu menção honrosa pelo trabalho em que encontrou uma forma de identificação mais fácil e eficiente para fiscalizar carvoarias e controlar o desmatamento ilegal de florestas brasileiras.

Guilherme Pontes, graduando do Curso de Engenharia Florestal, e Alessandro Rangel, doutorando do Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais, selecionaram amostras do lenho de Bertholletia excelsaCouratari guianensisCouratari stellata e Lecythis luridas em duas áreas da floresta primária dos municípios de Belterra e Tailândia, no Pará. As amostras foram carbonizadas em forno mufla (400ºC) e submetidas à fratura nos 3 planos de estudo (transversal, longitudinal radial e tangencial). O exame dos planos em um microscópio eletrônico de varredura do Núcleo de Pesquisa em Geoquímica e Geofísica da Litosfera (NUPEGEL), da Esalq, possibilitou a obtenção de imagens de elevada qualidade científica, seguida da avaliação e descrição da estrutura anatômica e das alterações resultantes do processo de carbonização.

Os resultados dos exames da estrutura anatômica dos carvões das quatro espécies mostraram que, apesar das contrações dos elementos e estruturas celulares da madeira, em porcentagens diferentes, bem como as dos elementos de vaso, parênquima longitudinal, do diâmetro das pontoações da parede tangencial e radial dos vasos, a estrutura qualitativa do lenho típica da família Lecythidaceae foi preservada.

A pesquisa concluiu, portanto, que o lenho das quatro espécies não perdeu as suas características anatômicas originais, ainda que esteja carbonizado, o que indica uma forma de identificação prática, versátil e efetiva para a fiscalização das carvoarias e para o controle do desmatamento ilegal das florestas naturais do Brasil.

Mais informações: site www.esalq.usp.br

Scroll to top