Pesquisa do IFSC desenvolve nanopartículas que protegem cosméticos da degradação

Publicado em Ciências por em

Da Assessoria de Comunicação do IFSC

No Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, pesquisa desenvolveu nanopartículas feitas de material polimérico e lipídico, que funcionam como sistema de liberação de princípios ativos de cosméticos (óleos essenciais, por exemplo). As nanopartículas, embora mais finas que um fio de cabelo, protegem o material envolvido e mantém suas propriedades intactas, diminuindo, assim, os riscos de degradação e perda de eficiência causados pela exposição ao Sol e ao calor. O estudo foi realizado no Grupo de Biofísica Molecular do IFSC, pela farmacêutica Amanda Luizetto dos Santos, em trabalho de pós-doutoramento com orientação do professor Valtencir Zucolotto.

Durante a pesquisa, Amanda fez comparações entre o óleo nanoencapsulado e o livre (sem qualquer revestimento que o conserve) e chegou a números interessantes: o óleo na sua forma livre não é incorporado em formulações cosméticas, já quando nanoencapsulado é utilizado em concentrações elevadas, de aproximadamente 30%. Ainda neste mesmo sistema, o uso de conservantes é dispensado, já que os óleos essenciais têm propriedade antimicrobiana, diminuindo o custo da formulação.

Há um ano, Amanda e a pesquisadora Paula Barbugli abriram a empresa Nanomed para ter um espaço adequado para extração de óleos naturais e o teste da eficiência das nanopartículas produzidas. Amanda conta que, há seis meses, a estabilidade da nanoparticula foi atingida, ou seja, ela foi capaz de proteger o óleo puro, evitando sua evaporação, degradação e oxidação. “Por meio desse sistema, os óleos duram mais tempo, além de oferecerem uma atividade melhor e mais eficiente, inclusive numa concentração menor do que o tradicional”, explica.

Hidrodestilação

Com a técnica de “hidrodestilação”, Amanda utiliza-se apenas de água para extrair o óleo de diversas plantas, como cravo, pimenta-rosa, gengibre, manjericão, etc. Dessa forma, tal processo de extração, 100% natural, diminui ou anula reações alérgicas ou contaminação da pele. “Quisemos estudar óleos de diversas plantas, pois cada um deles possui propriedades biológicas diferentes”, explica a pesquisadora.

Ainda de acordo com Amanda, o tempo de extração do óleo é demorado, o que torna seu custo elevado. No entanto, pelo fato de, nos últimos anos, diversos usuários terem dado preferência aos produtos naturais, esse é um mercado em ascensão e de futuro promissor. Depois de terem conseguido manter o sistema estável e nanoencapsular os óleos essenciais, as pesquisadoras da Nanomed já têm planos para o futuro: a busca de parceiros que queiram utilizá-los para produção de quaisquer produtos.

Embora os efeitos estéticos ainda sejam o foco principal, no momento, Amanda não descarta a possibilidade de, no futuro, tirar proveito das propriedades biológicas dos óleos para uso farmacêutico. Propriedades anestésicas e antifúngicas do cravo já são utilizadas há muito tempo na medicina, assim como algumas pesquisas apontam que a pimenta-rosa incita a produção de dopamina (neurotransmissor que atua no cérebro promovendo a sensação de prazer e motivação) no organismo e seu uso pode ter efeitos terapêuticos. “Já realizamos alguns testes farmacêuticos em animais e chegamos a resultados promissores”.

Portanto, independente dos estudos que ainda precisam ser concluídos, Amanda reafirma a eficiência dos óleos essenciais nanoencapsulados e o fato de estes já estarem prontos para fabricação de cosméticos. Mais do que a disposição de uma empresa para arcar com os custos de tal fabricação, é preciso saber quanto os usuários estarão dispostos a pagar por ele. Contudo, os efeitos catalisadores e muito mais potentes que serão oferecidos nos leva a crer que muitos despenderão de um pouco mais de dinheiro para adiar os reflexos da passagem do tempo.

Mais informações: (16) 3419-3429; email amandaluizetto@nanomed.ind.br, com Amanda Luizetto dos Santos

.