Ex-presidente do Chile fala na USP sobre a Cátedra José Bonifácio

Publicado em Especial, USP Online Destaque por em

Júlio Bernardes / Agência USP de Notícias

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Ricardo Lagos, ex-presidente do Chile, defendeu uma maior integração cultural entre os países  ibero- americanos com a participação das universidades durante entrevista coletiva sobre a Cátedra José Bonifácio, do Centro Ibero-americano da USP (Ciba), realizada na manhã de 20 de  março no prédio da Administração Central da USP. Titular da Cátedra em 2013, Lagos está no Brasil para realizar conferências sobre desenvolvimento econômico, globalização, instituições e democracia e na América Latina. O ex-presidente também se reuniu com um grupo de 52 pesquisadores que irá realizar estudos sobre os países latino-americanos. Os resultados das pesquisas serão reunidos em livro, a ser lançado em novembro.

“Além do intercâmbio econômico, é necessário haver maior integração no âmbito cultural, pois os países ibero-americanos possuem uma proximidade devido as semelhanças entre os idiomas português e espanhol. Isso pode acontecer por meio da cooperação entre as universidades”, disse Lagos durante a coletiva. O ex-presidente participou de um grupo de trabalho que propôs na Cúpula de Chefes de Estado Ibero-Americanos, realizada em 2012 em Madri (Espanha) o projeto de um consórcio de instituições de ensino superior dos países da região, para atuação conjunta em programas de pós-graduação.

“A universidade tem o papel de pensar a sociedade em que está inserida. Por ser um agente de mudança, pode pensar a longo prazo”, destacou. “Normalmente, os políticos pensam nos próximos mandatos de governo, a universidade pode ter um horizonte de 20, 30 anos”.

De acordo com o ex-presidente, a América Latina vive “um novo ciclo”. “Na política, há um grande grupo de cidadãos que reclamam maior participação, o que exige repensar as instituições. No aspecto econômico e social, aconteceu um grande avanço na redução da pobreza, mas é preciso evitar retrocessos, o que é possível por meio de políticas de educação e saúde”, declarou. “No campo cultural, a sociedade na América Latina está mais consciente de seus direitos, e os exige. Agora é preciso que os povos da região dialoguem entre si, para que possam falar a uma só voz em um mundo em que cada vez mais se consolidam grande blocos regionais”.

Comentando sobre a eleição do Papa, em que foi escolhido o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio (Francisco), Lagos espera que haja maior sensibilidade na América Latina para o tema das injustiças sociais. “Não basta diminuir a pobreza, a distribuição de renda ainda é má. É preciso construir uma sociedade mais justa”. Sobre Hugo Chavez, presidente da Venezuela que morreu em 5 de março, Lagos disse que ele possui seu lugar na História. “Chavez foi capaz de interpretar as demandas profundas das pessoas mais necessitadas e esquecidas da Venezuela. Por conta dessa mudança profunda na sociedade venezuelana, ainda haverá chavismo por muito tempo, como acontece com o peronismo na Argentina, que sobreviveu a Juan Domingo Perón”.

América Latina no Mundo

Lagos tomou posse como titular da Cátedra José Bonifácio em cerimônia realizada no dia 19 de março, às 10 horas, na sala da Congregação da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP. No período da tarde, o ex-presidente se reuniu com o grupo de pesquisadores vinculados à Cátedra, que desenvolverão estudos relacionados com o tema “A América Latina no mundo: desenvolvimento regional e governança internacional”. Ao todo, são 52 pós-graduandos, de diversas áreas, como relações internacionais, direito, economia, engenharia, arquitetura, enfermagem, saúde e literatura.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

“Depois do encontro com Lagos, os pesquisadores manterão contato com Lagos por meio de teleconferências e outros recursos eletrônicos”, explicou o professor Pedro Bohomoletz Dallari, da Faculdade de Direito (FD) da USP, coordenador do CIBA. “Em setembro, a Cátedra realizará um seminário na Universidad de Chile. Lagos retornará ao Brasil no período de 4 a 8 de novembro, quando deverá ser lançado um livro com artigos reunindo as conclusões dos estudos realizados pela Cátedra”.

Dallari disse que Lagos será auxiliado na coordenação da atividade de pesquisas por duas pós-doutorandas do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP, a brasileira Fabíola Zibetti e a chilena Mireya Davila. “Os estudos realizados na Cátedra durante o ano e o contato com o ex-presidente irão refletir na qualidade das dissertações e teses realizadas por estes pós-doutorandos”, afirmou.

A Cátedra José Bonifácio foi lançada em 18 de dezembro de 2012, com o objetivo de trazer personalidades da América  Latina para realizar estudos e pesquisas no Brasil.  O Ciba, que abriga a Cátedra, é um Núcleo de Apoio à Pesquisa criado em 16 de agosto de 2011,  vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa.

No dia 20 de março, às 17 horas, Ricardo Lagos participou da aula inaugural do Instituto de Relações Internacionais (IRI), proferindo a conferência Desenvolvimento econômico e desafios para a América Latina, realizada no auditório da Escola Politécnica (Poli) da USP. Para o dia 21 de março, às 10 horas, está prevista a conferência “América Latina: Instituições, democracia e desenvolvimento”, na FD. O ex-presidente chileno também participará de uma reunião no Ciba sobre as atividades da Cátedra no dia 22 de março. Além das atividades acadêmicas, Lagos  se encontrará com os ex-presidentes brasileiros, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, no dia 21 de março.

Ricardo Froilán Lagos Escobar possui formação em direito, economia e ciência política. Na Universidad de Chile foi professor de economia na Escola de Direito e diretor do Instituto de Economia. Também presidiu o Conselho Latino-americano de Ciências Sociais. Nos Estados Unidos, obteve o título de PdD na Duke University  e atuou como professor visitante na Universidade da Carolina do Norte, além de lecionar Universidade da Califórnia, em Berkeley. Lagos presidiu o Chile entre 2000 e 2006 e também atuou como diplomata, sendo embaixador do país junto à Organização das Nações Unidas (ONU).

Mais informações: (11) 3091-8353, no Ciba

.