Parece mas não é – saiba as diferenças entre carreiras da USP confundidas

Publicado em Educação, Sociedade, USP Online Destaque, Vestibular por em

A USP oferece um total de 99 cursos de graduação, em todas as áreas do conhecimento. Dentre as diversas possibilidades, não é incomum que futuros universitários tenham dificuldade para distinguir cursos que parecem, à primeira vista, semelhantes.

Frequentemente confundidos entre vestibulandos, os cursos de Nutrição, oferecido pela Faculdade de Saúde Pública, e o de Engenharia de Alimentos, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos podem ter o mesmo objeto de estudo, mas possuem graduações relativamente distintas. “O nutricionista é um profissional da saúde”, explica a professora Mônica Jorge da FSP, “e, portanto, mais afeito ao cuidado nutricional de indivíduos, grupos e comunidades. Seu foco de atuação é alimentação, não o processo de produção do alimento, que parece ser o foco do engenheiro”.

Sobre as diferenças entre ambos os currículos, a professora destaca, para aqueles que permanecem em dúvida sobre as carreiras, que os cursos não são considerados complementares. “É possível que ambos atuem em conjunto profissionalmente”, afirma.

Com o mesmo Conselho Regional gerindo as duas profissões, os cursos de Educação Física (EEFE) e Ciências da Atividade Física (EACH) se diferenciam especificamente na graduação. “O nosso curso é o único que possui o ciclo básico de disciplinas baseadas em resolução de problemas”, conta o professor Alex Antonio Florindo, coordenador do Bacharelado em Ciências da Atividade Física. “Além disso, os alunos recebem uma formação mais aprofundada em Saúde Pública em comparação com demais cursos de Educação Física”.

Apesar de atuarem no mesmo campo que os profissionais de Educação Física, os formandos em Ciências estão mais preparados para um mercado que agora abrange o Sistema Único de Saúde, o SUS. “Profissionais de outros cursos estão entrando nesse mercado sem essa base”, revela Alex.

Concorrência amigável

Considerado um dos cursos mais disputados nos últimos vestibulares, a graduação em Publicidade e Propaganda oferecida pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) encontra no recém-criado curso de Marketing, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), uma conexão natural. Entretanto, para Otávio Freire, professor do Curso de Marketing, a distinção entre ambos fica clara quando suas abordagens curriculares são abordadas.

“A diferença mais marcante é a abordagem bastante analítica do Curso de Marketing, o que faz com que a carga de disciplinas de cálculo e estatística seja grande e importante. Já o Curso de Publicidade e Propaganda procura trabalhar mais dentro da perspectiva das humanidades, privilegiando abordagens qualitativas e de criatividade”, explica o professor.

Para os que optarem pela graduação em Marketing, Otávio elucida: “O perfil do profissional de Marketing deve ser de uma pessoa que procura sempre pautar suas decisões em dados coletados junto ao mercado, de preocupação com a orientação dada aos investimentos que serão feitos em marketing por parte de qualquer tipo de organização, seja ela privada, pública ou do terceiro setor.”

Trabalho em equipe

Adeptos de uma geração que já se acostumou à presença dos computadores em seu dia-a-dia, os estudantes que escolherem a área da informática terão diversas opções de carreira. Dos já consagrados cursos de Ciências da Computação (IME) e Engenharia da Computação (EESC) até a graduação em Sistemas de Informação (EACH) e o Bacharelado em Informática (São Carlos), nem sempre está clara para os vestibulandos a diferença entre os programas de ensino das diferentes especialidades.

Tipicamente, um curso de Ciências da Computação está mais voltado para programação e desenvolvimento de sistemas, enquanto que um curso de Engenharia de Computação volta-se mais para automação ou robótica, como esclarecem os professores Roberto Hirata Jr e Carlos Eduardo Ferreira, ambos do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP. “Um bom curso de Ciências da Computação deve formar profissionais capazes de aprender e encarar novos desafios. Não basta conhecer as tecnologias vigentes. É importante dar uma sólida formação básica ao estudante, e prepará-lo para estar em constante evolução, estudando e aprendendo novas tecnologias para permanecer no mercado”, salientam.

Num campo com oportunidades para todas as formações, a área de Tecnologia da Informação cresce na mesma velocidade em que os computadores se fazem cada vez mais presentes em nossa vida. “Equipes de desenvolvimento de empresas de TI normalmente incluem formados em todos estes cursos”, destaca Roberto.

Escolha consciente

A par da importância de se esclarecer as diferentes possibilidades de formações oferecidas pela Universidade, a Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP promove anualmente o programa USP e as Profissões que realiza visitas monitoradas às diversas unidades, dando a oportunidade aos estudantes de conhecerem um pouco mais sobre suas futuras escolhas.

“É interessante divulgar as diferenças que os vestibulandos confundem. Eu colaboro muito nas Feiras de Profissões e represento a USP em colégios, sempre esclarecendo as dúvidas”, destaca a professora Eliana Setsuko Kamimura, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) de Pirassununga.

Para acessar a lista de cursos oferecidos pela Universidade de São Paulo visite: www.webdev.sites.usp.br/graduacao/cursos-oferecidos.

.