Práticas de Piano em Grupo ampliam aprendizado e geram conhecimento

Publicado em Artes, USP Online Destaque por em

Como forma de desenvolver o estudante de música da Faculdade  de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP), a professora Simone Gorete Machado organiza, desde 2010, os encontros do Laboratório de Piano em Grupo (LabPG). Dentre as  atividades do núcleo, docência, pesquisa e extensão se alinham na realização de experimentos, encontros, videorrecitais e oficinas para a comunidade.

Em destaque, a professora apresenta o Programa para Formação de Professores de Piano. Promovido pelo laboratório, o projeto insere o discente na área de pesquisa do Grupo, ao mesmo tempo em que ele aprende a lecionar. As aulas são aplicadas nos formatos de ensino individual e coletivo, por meio de oficinas de extensão universitária.

Os participantes do LabPG estão vinculados a projetos específicos desenvolvidos pelo grupo: além do Programa de Formação de Professores de Piano, são realizadas oficinas de pesquisa em música e de iniciação ao piano, encontros nacionais e internacionais, organização de workshops, videorrecitais e a publicação de livros – caso recente do Piano em Grupo: Livro Didático para o Ensino Superior, o primeiro no país a cobrir esta área.

Atividades em conjunto e experimentos

As oficinas do LabPG são destinadas ao público infantil, adultos, e alunos da terceira idade. A inserção do discente neste processo de ensino e pesquisa já rende frutos ao grupo, que consegue compartilhar o conhecimento das pesquisas fora das salas da Universidade. Roberta Pires, uma das mais ativas integrantes, atualmente leciona piano em grupo no Projeto Guri – ação do governo do estado de São Paulo que oferece, desde 1995, cursos de iniciação musical, coral e instrumentos para crianças e adolescentes em idade escolar.

Entre os experimentos realizados no laboratório, Simone ressalta a busca de alternativas para redução dos custos do piano em grupo. Em conjunto com Juliano de Oliveira, membro do LabPG, ela se propôs encontrar um substituto para o controlador, aparelho indispensável para este tipo de atividade. “Ficou comprovado que uma mesa de som pode ser adaptada para servir ao piano em grupo de modo muito parecido por um preço e disponibilidade de compra bem mais acessíveis”, conta. O resultado da experiência foi publicado nos anais do II Encontro Internacional de Piano em Grupo, em 2012 .

Videorrecitais e parcerias universitárias

Outra modalidade de atuação do LabPG são os videorrecitais. Organizados ao final de cada semestre, as videoconferências buscam unir pedagogia e performance com interatividade cultural. “Atualmente tenho realizado aulas e apresentações ao vivo com minhas turmas de piano em grupo e turmas de piano em grupo de universidades norte-americanas”, conta a musicista. Nestes encontros, os alunos se apresentam com peças solo e em conjunto, tocando, inclusive, composições próprias da equipe.

Estes encontros eram inicialmente realizados em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), entretanto, o projeto passou a acontecer junto com a Wayne State College, nos Estados Unidos. Os videorrecitais são realizados durante o desenvolvimento das disciplinas coordenadas pelo grupo e conta com a participação dos alunos matriculados. “O fuso horário e a diferença do calendário letivo com os EUA dificultam que seja realizado no primeiro semestre. Portanto, atualmente, tende a acontecer nos finais de ano”.

Já os encontros do “Piano em Grupo” reúnem palestras, apresentações de pesquisas de alunos e workshops a partir de parcerias com universidades e órgãos de fomento. Já na primeira edição do evento, a presença de convidados internacionais e participantes de três estados brasileiros surpreendeu e, em 2012, foi realizada uma segunda edição em Goiânia, em parceria com a universidade local, a UFG. A edição de 2014 do evento já está em produção, mas datas e local ainda estão sendo definidos.

Mais informações: email piano.performance@yahoo.com, site http://goo.gl/wBeS48.

.