Biossensor identifica de forma mais rápida e barata concentração de hormônios da tireoide

Publicado em Ciências por em

Da Assessoria de Comunicação do IFSC

Cientistas do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP produziram um biossensor capaz de identificar e separar diferentes concentrações de hormônios produzidos pela tireoide de uma maneira rápida e barata. Através de medidas elétricas e eletroquímicas, o biossensor é capaz de separar as quantidades de tiroxina (T4) e a triiodotironina e, inclusive, de TRIAC – também chamado de “Triatcol”, um hormônio análogo da tireoide, também produzido pelo organismo -, encontradas no organismo, e trazer um rápido diagnóstico sobre a falta ou excesso de qualquer um dos três hormônios.

A tireoide é uma das maiores glândulas endócrinas (que produz secreções) do corpo humano. Localizada no pescoço, em frente à traqueia, ela é responsável pela produção dos hormônios (T4) e (T3), que regulam diversas – e essenciais – funções em nosso organismo.

Para se ter uma ideia da importância desses hormônios, na falta de ambos (hipotireoidismo), o intestino fica mais lento, os rins passam a filtrar menos líquidos, a pessoa pode ter depressão, dificuldades com a memória, raciocínio e fala, diminuição da frequência cardíaca, fraqueza e dores musculares, aumento de peso, infertilidade, entre outros problemas. O excesso de ambos (hipertireoidismo) acelera o intestino, causa irritabilidade, nervosismo insônia, taquicardia e arritmias, perda de peso etc.

“Conseguimos separar populações de diferentes concentrações desses hormônios a níveis muito baixos, em torno de 2,5 nM (0,000000001mg), que são níveis compatíveis com o que se tem no corpo humano”, explica o docente do IFSC e um dos autores da pesquisa, Valtencir Zucolotto, coordenador do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia do IFSC.

O desequilíbrio na produção desses hormônios não só é comum como também expressivo: de acordo com pesquisa realizada entre 2001 e 2002 na grande São Paulo com mulheres entre 20 e 78 anos, 10% apresentou sintomas clínicos e laboratoriais de desequilíbrio hormonal da tireoide.

Funcionamento

O método funciona da seguinte forma: um nanofilme é depositado sobre um chip. Este contém receptores nucleares, que são imobilizados sobre o nanofilme e, por sua vez, capazes de identificar e quantificar os hormônios da tireoide presentes na amostra. “Atualmente, essa quantificação de hormônios só é feita em laboratórios e demora para que o diagnóstico chegue nas mãos do paciente. Os equipamentos usados para realização desses exames custam muito caro também”, explica o docente.

O dispositivo que realizará a tarefa ainda não existe, mas a metodologia criada pelos pesquisadores funciona e, inclusive, já foi patenteada. Além da resposta em minutos, os chips utilizados serão descartáveis, tornando o processo mais eficiente e higiênico. “A eletrônica envolvida nesse processo, ou seja, o equipamento que servirá de base para o chip, não terá um custo alto. Mas, este, obviamente, não será descartável”, esclarece Zucolotto.

A novidade pode ter grande potencial na medicina e uma das mais importantes aplicações é o auxílio nos processos de reposição hormonal, uma vez que a nova técnica possibilitará que, em poucos minutos, o nível dos hormônios da tireoide no sangue seja medido. Outra aplicação importante refere-se ao controle de qualidade para indústrias farmacêuticas, possibilitando que a quantidade certa de hormônio seja inserida nas cápsulas de remédios de reposição hormonal.

Assim que o convênio empresa/universidade estiver firmado, o dispositivo poderá chegar às prateleiras das farmácias. Pesquisadores, médicos e, sobretudo, pacientes aguardam ansiosos pela concretização dessa parceria.

O trabalho contou com a colaboração com o Grupo de Biotecnologia Molecular do IFSC, sob coordenação do professor Igor Polikarpov e o artigo está aceito para publicação na revista Journal of Biomedical Nanotechnology.

Mais informações: comunicifsc@ifsc.usp.br

.