Jornalismo policial na TV aborda violência superficialmente

Publicado em Sociedade por em

Ana Paula Souza / Agência USP de Notícias

Com audiências de números impressionantes, obtidas a partir de um conteúdo relacionado à violência, os programas de televisão que veiculam o chamado jornalismo policial exercem um forte impacto sobre seus telespectadores. Para compreender como se dá esse processo de influência social resultante da exposição sistemática à criminalidade na mídia, Davi Romão desenvolveu a dissertação de mestrado Jornalismo policial: indústria cultural e violência, apresentada no Instituto de Psicologia (IP) da USP.

Durante cinco anos de pesquisa, a qual envolveu a leitura de uma ampla bibliografia sobre o tema e a análise de edições dos programas Brasil Urgente, Cidade Alerta e Balanço Geral, o estudo examinou a construção dessas atrações, feita sobre três pilares comuns: os clichês, o discurso autoritário e o sensacionalismo. Os programas de jornalismo policial, a partir do uso de estereótipos, posicionam-se como referências na temática da violência e adotam uma estratégia de cunho apelativo para envolverem os telespectadores, método que contribui para  enraizar nas pessoas a perspectiva de que estão constantemente rodeadas pela ameaça da criminalidade.

Essa estrutura resulta em uma abordagem superficial da violência e revela aspectos importantes a respeito da sociedade brasileira. “A grande audiência desses programas se deve ao fato de que nossa sociedade tem uma cultura autoritária, violenta, moralista e incapaz de fazer análises políticas e sociais minimamente profundas”, afirma Romão.

Conformismo e paranóia

Outros resultados da construção desses programas são o estímulo, na sociedade, de um sentimento de conformismo e de uma relação de paranoia com a realidade, a qual se deve, principalmente, ao formato adotado por essas atrações, que fazem uso do medo para a construção de seu conteúdo. Para Romão, esse é um dos problemas mais graves desse tipo de programa e é uma questão que deveria ser pensada atentamente.

“Precisamos refletir sobre como essa maneira paranoica de lidar com a violência, presente nesses programas e, certamente, disseminada no imaginário social, é nociva para todos os envolvidos, inclusive as vítimas imediatas da violência”, ressalta.  Outro efeito promovido por essas atrações é a repulsa em relação ao criminoso, visto que o discurso usado pelos programas incita o ódio dos telespectadores em relação aos infratores, o que contribui para a consolidação de estereótipos e atrapalha o processo de ressocialização daqueles que passaram pelo sistema penitenciário.

No entanto, é curioso perceber que, antes de qualquer coisa, essas atrações representam uma violência contra a própria população. “Esses programas são desrespeitosos com os cidadãos. Antes de fazer a pesquisa, já conhecia a estrutura básica deles, mas nunca os acompanhei. No entanto, no processo de pesquisa, foi terrível ver como os apresentadores, de modo geral, se dão permissão para serem absolutamente grosseiros com os  entrevistados, os suspeitos, as vítimas, e, inclusive, com a própria equipe dos programas”, observa. “É uma tristeza ver que esse grau de desrespeito pelo outro pode ser algo valorizado na nossa sociedade, pode ser algo que faz com que esses apresentadores construam a imagem de ‘autoridades’”.

Mais informações: email davimamblona@yahoo.com.br, com Davi Romão

.