Parceria entre OMS e FMRP busca reduzir mortalidade materna e perinatal

Publicado em Saúde, USP Online Destaque por em

Breno Berlingeri Campos / Serviço de Comunicação Social da Prefeitura USP de Ribeirão Preto

Foto: BOLD / Divulgação
Foto: BOLD / Divulgação

Reduzir a mortalidade materna e perinatal no mundo. É com esse objetivo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Departamento de Medicina Social (DMS), da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP firmaram parceria para o desenvolvimento e implementação do Projeto Better Outcomes in Labour Difficulty – Melhores resultados em dificuldades do trabalho de parto (BOLD).

A iniciativa, liderada pela OMS, por meio dos Departamentos de Saúde Reprodutiva e Pesquisa (RHR) e de Saúde Materna, Neonatal, Saúde da Criança e do Adolescente, além do DMS da FMRP, conta com a participação de instituições da Finlândia, Nigéria e Uganda. O lançamento oficial ocorreu na sede da OMS, em Genebra, na Suíça, nos dias 11 e 12 de fevereiro. Financiado e apoiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, a primeira fase do projeto já conta com US$ 3 milhões para o seu desenvolvimento.

Com mais de 160 mil mortes de mulheres relacionadas à gestação, das 287 mil que ocorrem no mundo anualmente, o continente africano será o primeiro a receber o BOLD. “Para se ter uma ideia global, 99% das mortes maternas acontecem em países em desenvolvimento e 1% em países desenvolvidos. No Brasil, esse número gira em torno de 1,7 mil mortes por ano”, afirma o professor João Paulo Souza, da FMRP, e um dos coordenadores do Projeto BOLD, que terá duas fases.

Fases

A primeira fase será de coleta de dados em doze hospitais, na Nigéria e em Uganda, países da África, onde menos da metade das mulheres chegam a um hospital para o trabalho de parto. Ainda na primeira fase será desenvolvida uma nova ferramenta para auxiliar médicos, parteiras e até pessoas leigas, na tomada de decisão sobre os procedimentos durante o trabalho de parto. Batizada de Simplified, Effective, Labour Monitoring-to-Action tool (SELMA), a ferramenta será um orientador, que vai guiar o manejo do trabalho de parto.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

A SELMA será desenvolvida e analisada pelos pesquisadores do DMS e virá como uma alternativa ao partograma, outra ferramenta que existe desde 1970, mas que tem apresentado problemas fundamentais, segundo Souza. “Imaginamos esse sistema orientando, por exemplo, que o usuário rompa a bolsa da paciente, ou que considere fazer uma cesárea”, diz o professor. A duração desta fase será de dois anos. Com expectativa de início para 2016, a segunda fase terá duração de cinco anos e será de implementação e expansão do projeto. A ideia é que ele seja desenvolvido em mais dez países do continente africano.

Em um mundo onde as diferenças se mostram cada vez maiores, a esperança parece estar naquilo que é uma das principais manifestações da desigualdade, a tecnologia. E é utilizando-se dela que a OMS, juntamente com seus parceiros pretende diminuir as mortes relacionadas à gestação.

A escolha da África como primeiro continente a receber as atividades do projeto, vai além dos números, chegando a alguns problemas peculiares como, por exemplo, a baixa qualidade dos hospitais africanos e a dificuldade das mulheres em frequentá-los. “No Brasil, em 1940, as mulheres davam a luz em casa e, ao longo de duas décadas elas passaram a dar à luz em hospitais, mas essa não é a realidade do continente africano hoje”, conta Souza.

Desenvolver o projeto de pesquisa, coordenar e supervisionar sua implantação em instituições e comunidades africanas, gerenciar e analisar os dados produzidos, realizar modelagem estatística e computacional, além de desenvolver a ferramenta SELMA, serão as tarefas que o DMS da USP estará encarregado. O projeto pode ser acompanhado pelo site boldinnovation.org.

Mais informações: (16) 3602-2538

.