MENUMENU

FEA inaugura maior biblioteca especializada da América Latina

Novo prédio tem capacidade para atender mais de meio milhão de usuários por ano, conta com anfiteatros, salas para estudo em grupo e espaço colaborativo Design Thinking, inspirado em modelo de Harvard.

Da Assessoria de Imprensa da FEA

Foto: Divulgação / FEA
Foto: Divulgação / FEA
Para diretor da FEA, projeto representa uma mudança na cultura de doações da comunidade universitária

A Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP inaugurou dia 2 de julho as novas instalações de sua biblioteca, que abriga um acervo de 430 mil obras. Os projetos de expansão e modernização da biblioteca, iniciados em 2010, foram executados com recursos da USP e de doações feitas por empresas, nos termos da Lei Rouanet, e pessoas físicas – professores, alumni, alunos e funcionários.

A fase de expansão da biblioteca já foi inteiramente concluída e o projeto de modernização continua em curso. Acomodadas em estantes deslizantes, as obras do acervo Delfim Netto se encontram em processo de catalogação para integrarem a base de consulta da USP. O projeto de modernização assegura que a biblioteca terá as melhores instalações e tecnologia disponíveis e novos ambientes para estudos, pesquisas e discussões, tornando-se um centro de convenções para alunos, docentes e instituições públicas e privadas.

O evento inaugural contou com a presença dos professores Marco Antonio Zago, reitor da USP; Reinaldo Guerreiro, diretor da FEA; Nicolau Reinhard, vice-diretor da FEA; Antonio Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento, e Professor Emérito da FEA; Diva Benevides Pinho, Professora Emérita da FEA; membros do corpo docente da Faculdade, funcionários, alunos, representantes de empresas doadoras, doadores pessoas físicas que contribuíram com a iniciativa, além de convidados da comunidade bibliotecária da USP, entre eles a atual chefe técnica da biblioteca, Margarida Maria de Sousa, e a ex-chefe técnica da biblioteca, Dulcinéia Dilva Jacomini.

Observamos com orgulho o espaço físico mais que dobrar, transformação que ganhou maior valor com a vinda do acervo Delfim Netto.

Satisfeito com os resultados dos projetos de expansão e modernização da biblioteca, o professor Reinaldo Guerreiro lembra que a FEA, além de formar profissionais de reconhecida competência nas áreas de administração, economia, contabilidade e atuária, é considerada o maior centro de publicação de trabalhos científicos nesses campos do conhecimento no país. “Agora contamos com uma biblioteca possuidora do maior acervo dessas áreas na América Latina e infraestrutura comparável à das grandes universidades internacionais. Observamos com orgulho seu espaço físico mais que dobrar, transformação que ganhou maior valor com a vinda do acervo Delfim Netto”, diz ele.

Parceria público-privada

Foto: Divulgação / FEA
Foto: Divulgação / FEA
Biblioteca em fase de construção

O diretor da FEA destacou também o modelo de financiamento das obras de modernização e ampliação da biblioteca, e de resguardo do acervo Delfim Netto, que combina recursos públicos e privados, “uma união que explicita o valor que a FEA tem para quem nela estudou e para a comunidade como um todo”. Foram dois tipos de ações,um deles para captação de recursos em empresas por meio de projeto da Lei Rouanet e o outro para captação de contribuições de pessoas físicas. As contribuições voluntárias partiram do valor mínimo de R$ 250,00 e foram feitas por 566 doadores pessoas físicas, entre elas docentes, alunos, antigos alunos e funcionários da Faculdade, por 14 empresas, pelo Instituto Carlos e Diva Pinho (Funcadi) e pela Associação Instituto Brasileiro de Relações de Emprego e Trabalho (Ibret).

Por meio da Lei Rouanet, Ministério da Cultura (Minc), foram obtidos recursos para os projetos de modernização e resguardo da doação do acervo de Antonio Delfim Netto com as organizações Banco Safra, Banco Itaú, Cutrale, Odebrecht, Grupo Camargo Corrêa, Grupo Cacique, Natura, Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, TROP, Desenvolve SP, Grupo É Ouro e PricewaterhouseCoopers.

Guerreiro acredita que essa experiência de mobilização de recursos ajudará a lançar o Fundo Patrimonial FEA. “Será uma importante ferramenta auxiliar nas atividades da Faculdade, tendo em vista que sua principal missão será a manutenção da sustentabilidade financeira da instituição”, explica ele. Nesse sentido, o diretor da FEA considera que o projeto da nova biblioteca, concebido na gestão do professor Carlos Roberto Azzoni, representa uma mudança na cultura de doações da comunidade feana. Novas ações desse tipo, diz ele, contribuirão para o desenvolvimento da Faculdade.

Dulcinéia Jacomini, chefe técnica da biblioteca durante a fase de expansão, considera que a ampliação trouxe “enorme ganho para todos os usuários”. A comunidade da Faculdade e a sociedade de modo geral passam a ter acesso a uma biblioteca com um ambiente mais moderno e adequado para as leituras e pesquisas, não apenas em termos de espaço físico, mas na inovação dos serviços oferecidos.

Para Jacomini, a doação feita pelo professor Delfim Netto representa uma contribuição da maior importância para a biblioteca, não só pelo aumento do acervo, cujo tamanho triplicou, mas também por sua abrangência, com obras sobre desenvolvimento econômico, história, religião, filosofia, entre outros temas. Reflexo dessa mudança foi o aumento na circulação de usuários pela biblioteca.

A técnica observa que as novas salas de estudos, individuais e em grupo, e os terminais de pesquisa, ampliados e renovados, são um atrativo para que os frequentadores não se limitem ao espaço de retirada e devolução de material bibliográfico, e passem a aproveitar os espaços de leitura, pesquisa e debate, “algo essencial no contexto da universidade pública”.

Foto: Divulgação / FEA
Foto: Divulgação / FEA
Biblioteca abriga também o espaço colaborativo Design Thinking, com móveis e equipamentos que podem ser mudados de acordo com as necessidades dos usuários

Anfiteatros, salas de estudo em grupo e espaço colaborativo Design Thinking

Além dos espaços de leitura e das estantes de livros, o novo prédio da biblioteca conta com dois anfiteatros, um deles para 120 pessoas, inspirado em modelo da Universidade de Harvard. O outro anfiteatro tem layout flexível que permite a subdivisão do espaço para dois eventos simultâneos. Ambos estão equipados com projetor, videoconferência e todas as tecnologias necessárias à integração e colaboração.

Quatro das cinco salas de estudo em grupo, chamadas de Biblabs (bibliotecas laboratórios), têm capacidade para até seis pessoas cada. A quinta sala é maior, para até 60 pessoas.

A nova biblioteca abriga ainda o espaço colaborativo Design Thinking, com mobiliário e equipamentos especiais que podem ser mudados de acordo com as necessidades dos usuários, para trabalho em grupo, igualmente inspirado por sala do mesmo tipo existente em Harvard, criada para incentivar a promoção, o surgimento, a troca e a disseminação do conhecimento entre os participantes. Ou seja, um ambiente inovador e colaborativo de ensino, alinhado com moderna técnica didática que estimula a reflexão e a adoção de estratégias ativas de aprendizagem.

O projeto de ampliação incluiu também equipamentos para atendimento de usuários com necessidades especiais.

Scroll to top