Questionário aplicado por pesquisadora da FMUSP ajuda a avaliar qualidade do sono infantil

Valéria Dias / Agência USP de Notícias

Profissionais de saúde e pesquisadores que lidam com crianças têm à disposição, a partir de agora, um instrumento confiável para avaliar a qualidade do sono infantil e que pode ser utilizado tanto no consultório, para diagnóstico, como na realização de pesquisas sobre o tema. A validação do “questionário do sono infantil de Reimão e Lefèvre” (QRL) foi o objetivo da professora universitária Patricia Daniele Piaulino de Araujo, em sua tese de doutorado pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

O questionário QRL está disponível no capítulo 7 (anexos), página 96 da tese, que pode ser baixada neste link. O instrumento foi elaborado em 1981 pelos professores Rubens Nelson Amaral de Assis Reimão e Antônio Frederico Branco Lefèvre, do Hospital das Clínicas (HC) da FMUSP. “Trata-se de um instrumento muito utilizado no HC. O que faltava era a validação científica para que ele pudesse ser um instrumento de uso público”, destaca.

O QRL é composto por 27 questões, divididas em 3 partes. As perguntas devem ser feitas para os pais ou para os responsáveis por acompanhar o sono das crianças. A primeira parte visa identificar a criança, com informações sobre idade e sexo, além da quantidade de tempo que ela dorme e os horários para deitar e levantar da cama.

Na segunda parte, são realizadas perguntas que visam identificar as características do hábito de sono das crianças, como os comportamentos adotados no momento de dormir (se a luz fica acesa, se precisa estar junto de algum brinquedo, se há companhia de algum animal de estimação, etc).

Na terceira parte, as perguntas abordam a frequência da ocorrência de distúrbios durante o sono: urina na cama? fala enquanto dorme? senta na cama durante o sono? tem pesadelos? etc. Patricia Daniele refez a ordem em que as perguntas apareciam e reorganizou as três subdivisões, além de modernizar algumas palavras utilizadas nas 27 questões.

Consistência e reprodutibilidade

Para validar, foram realizadas duas avaliações: de consistência e de reprodutibilidade. “O questionário ao ser aplicado hoje, tem um determinado padrão de resposta. Esse mesmo padrão deve ser observado após um certo período de tempo. Isso é a reprodutibilidade”, explica a pesquisadora. Para avaliar a reprodutibilidade, o questionário foi aplicado em 1.027 crianças entre 3 e 5 anos de 17 creches públicas, sendo maioria da região de Santo Amaro, na cidade de São Paulo, e reaplicado, após 15 dias, em 853 destas crianças.

A consistência avalia se o questionário do sono infantil de Reimão e Lefèvre (QRL) realmente mede aquilo a que se propõe. Para realizar esta avaliação, especialistas na área do sono infantil realizaram a anamnese e aplicaram o questionário QRL em 60 crianças e obtiveram os resultados sobre quais delas possuía ou não algum distúrbio. Essas crianças eram provenientes dos Ambulatório de Neurologia, e de Oftalmologia e Otorrinolaringologia do HC-FMUSP, e de uma creche do município de São Paulo.

“Na avaliação de reprodutibilidade, tivemos 96% de respostas idênticas. E na consistência, o índice foi de 80%. Esses resultados validaram o questionário QRL e ele poderá ser usado por pediatras e pesquisadores na área para avaliar o sono de crianças”, afirma Patricia Daniele. As avaliações de consistência e a reprodutibilidade foram realizados entre março de 2009 e novembro de 2011.

Os problemas de sono em crianças podem causar, além de deficiências escolares, alterações na cognição e no humor, podendo deixá-las mais agitadas. Na aplicação do QRL pela pesquisadora, a movimentação excessiva durante o sono (48,5%), o ronco (35,8%), a sonolência diurna (33,2%) e a enurese noturna (21,9%) foram os distúrbios com maior prevalência. A maior parte deles ocorreu diariamente, foram mais comuns nas meninas e tenderam a diminuir com a idade.

Mais informações: email patidaniele@uol.com.br com a pesquisadora Patricia Daniele