Vencedores do Prêmio Vladimir Herzog vão partilhar suas experiências em “Roda de Conversa”

Publicado em Sociedade por em

O prêmio Vladimir Herzog reconhece jornalistas e seus trabalhos voltados à promoção da democracia, cidadania e diretos humanos e sociais. Realizada desde 2012, a Roda de Conversa é uma produção audiovisual em que cada vencedor do prêmio tem a oportunidade de compartilhar suas experiências pessoais sobre os bastidores de produção do material jornalístico que foi objeto da premiação.

Na roda, os jornalistas falam das dificuldades, dos caminhos e processos (pautas, entrevistas, sigilo da fonte, coleta de dados, apuração, pressão de tempo, edição, e produção final) percorridos por eles para a elaboração do produto jornalístico.

Em 2014, a Roda de Conversa foi mediada pelos jornalistas Aldo Quiroga e Angelina Nunes. Além da participação do Departamento de Jornalismo da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, a produção contou com o trabalho cooperativo da TV Cultura/Fundação Padre Anchieta, da TV Câmara de São Paulo, da TVT – Televisão dos Trabalhadores, da TV PUC/ Canal Universitário de SP, da TV OAB-SP e da TV Aberta/Canal Comunitário de São Paulo.

A primeira reunião das emissoras que deverão transmitir em pool a Roda de Conversa com os vencedores do “37º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos” aconteceu dia 9 de setembro, na Câmara Municipal de São Paulo.

Prêmio

O 37º Prêmio de Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos – 2015 anunciará seus vencedores no dia 30 de setembro, e será entregue aos vencedores dia 20 de outubro, às 20 horas, no Teatro da Universidade Católica de São Paulo (TUCA) – Rua Monte Alegre, 1024, em Perdizes, São Paulo. A reunião da comissão que julgará os trabalhos será dia 30 de setembro e acontecerá na Câmera Municipal, com transmissão ao vivo pela Internet.

As categorias premiadas são Artes (ilustrações, charges, cartuns, caricaturas e quadrinhos), Fotografia, Jornais, Rádio, Revista, Internet, TV documentário, TV jornalismo e Tema Especial. Os vencedores em cada uma das oito categorias receberão o troféu símbolo do prêmio, criado pelo artista plástico Elifas Andreato.

Um dos mais antigos do Brasil, sendo sua primeira edição realizada em 1979, o prêmio até hoje continua vinculado à luta pelos Direitos Humanos e Cidadania. No ano em que foi aprovado pelo Congresso Nacional, coube ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, a Comissão Executiva Nacional dos Movimentos de Anistia, ao Comitê Brasileiro de Anistia, a Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP, a Comissão de Justiça e Paz da Cúria Metropolitana/SP, à Associação Brasileira de Imprensa, à Federação Nacional dos Jornalistas e à família Herzog a organização do prêmio. Na época, logo recebeu apoio das agências e jornais internacionais que acompanhavam as ações repressivas, os atentados à liberdade de imprensa e, principalmente, as denúncias de desrespeito aos Direitos Humanos e de perseguição àqueles que lutavam pela democratização do País.

A proposta do prêmio é estimular jornalistas, que através de seu trabalho, colaboram com a promoção da democracia, da cidadania e dos direitos humanos e sociais; homenagear personalidades, profissionais e veículos de comunicação que se destacaram nessas áreas; e reverenciar a memória do jornalista Vladimir Herzog, preso pela ditadura militar, torturado e morto nas dependências do DOICod, em São Paulo, dia 25 de outubro de 1975.

Assista à Roda de conversa o 36º Prêmio Vladimir Herzog 2014 neste link

Mais informações: site http://www.premiovladimirherzog.org.br/o-premio.asp

Vencedores do Prêmio Vladimir Herzog vão partilhar suas experiências em “Roda de Conversa”
Editoria: Sociedade - Autor: - Data: 16 de setembro de 2015

Palavras chave: , , ,

.